Top thingy left
 
VOYAGER 2 CELEBRA 25 ANOS DA VISITA POR ÚRANO
25 de Janeiro de 2011

 

À medida que a sonda Voyager 2 da NASA fazia a única aproximação, até à data, pelo nosso misterioso sétimo planeta Úrano há 25 anos atrás, o cientista do projecto, Ed Stone, e a equipa da Voyager reuniam-se no JPL da NASA em Pasadena, Califórnia, EUA, para ver a chegada dos dados.

Imagens da pequena e gelada lua de Úrano, Miranda, foram particularmente surpreendentes. Dado que as luas pequenas tendem a arrefecer e congelar rapidamente após a sua formação, os cientistas esperavam uma superfície chata e antiga, marcada por crateras sobre crateras. Em vez disso, viram terrenos com vales lineares e sulcos que atravessavam terrenos mais antigos e por vezes juntando-se em formas bifurcadas. Também observaram escarpas e desfiladeiros dramáticos. Todas estas características indicavam que a superfície de Miranda tinha passado por períodos de actividade térmica e tectónica no seu passado.

Os cientistas também ficaram surpreendidos pelos dados que mostraram que os pólos Norte e Sul de Úrano não estavam alinhados com o eixo norte-sul da rotação do planeta. Ao invés, os pólos do campo magnético do planeta estavam perto do equador uraniano. Isto sugeria que o fluxo de materiais no interior do planeta estava a gerar o campo magnético mais perto da superfície do que os fluxos no interior da Terra, Júpiter e Saturno respectivamente às suas superfícies.

"A visita da Voyager 2 a Úrano expandiu o nosso conhecimento da inesperada diversidade de corpos que partilham o Sistema Solar com a Terra," disse Stone, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, em Pasadena, EUA. "Embora similar de muitas maneiras, os mundos que encontramos podem ainda surpreender-nos."

A Voyager 2 foi lançada a 20 de Agosto de 1977, 16 dias antes da sua gémea, Voyager 1. Após completar a sua missão principal de viajar por Júpiter e Saturno, foi colocada num percurso para visitar Úrano, que está a cerca de 3 mil milhões de quilómetros do Sol. A Voyager 2 fez a sua maior aproximação - a 81.500 km do topo das nuvens de Úrano - a 24 de Janeiro de 1986.

Antes da visita da Voyager 2, os cientistas tinham que aprender mais sobre Úrano usando telescópios terrestres e aéreos. Ao observar diminuições no brilho estelar à medida que uma estrela passava por trás de Úrano, os cientistas descobriram que Úrano tinha nove anéis estreitos. Mas foi só até ao "flyby" da Voyager 2 que os cientistas foram capazes de capturar, pela primeira vez, imagens dos anéis e das pequenas luas que os esculpiam. Ao contrário dos anéis gelados de Saturno, descobriram que os anéis de Úrano são cinzento-escuros, reflectindo apenas uma pequena percentagem da luz solar incidente.

Os cientistas também tinham determinado a temperatura média de Úrano (-214º C) antes deste encontro, mas a distribuição dessa temperatura foi uma surpresa. A Voyager mostrou que havia um transporte de calor de pólo para pólo na atmosfera de Úrano, que mantinha a mesma temperatura em ambos os pólos, embora o Sol brilhasse há já décadas num pólo e não no outro.

Perto do fim do encontro com Úrano e das análises científicas, os dados da Voyager 2 permitiram a descoberta de 11 novas luas e de dois novos anéis, e geraram dúzias de artigos científicos acerca deste sétimo planeta.

A Voyager 2 continuou então até Neptuno, o último alvo planetário, onde chegou em Agosto de 1989. Está agora a viajar para o espaço interestelar, o espaço entre as estrelas. Está a cerca de 14 mil milhões de quilómetros do Sol. A Voyager 1, que explorou apenas Júpiter e Saturno antes de se dirigir a maior velocidade para o espaço interestelar, está a cerca de 17 mil milhões de quilómetros do Sol.

"O encontro com Úrano é único," afirma Suzanne Dodd, gestora do projecto Voyager, com base no JPL. "A Voyager 2 permaneceu saudável o suficiente para chegar a Úrano e depois a Neptuno. Actualmente ambas as Voyager estão na extremidade da esfera de influência do Sol e uma vez mais a desbravar caminho para as descobertas científicas."

Links:

Notícias relacionadas:
NASA/JPL (comunicado de imprensa)
PHYSORG.com
Universe Today
Discovery News

Úrano:
Núcleo de Astronomia do CCVAlg
Wikipedia

Voyager 2:
Página oficial (NASA)
Heavens Above
Voyager 2 (Wikipedia)

 


Miranda, a mais interior das grandes luas de Úrano, é aqui vista em grande detalhe, graças à Voyager 2, nesta imagem obtida a 24 de Janeiro de 1986, como parte um mosaico em alta-resolução.
Crédito: NASA/JPL
(clique na imagem para ver versão maior)


Estas duas imagens de Urano -- uma em cores verdadeiras (esquerda) e outra em cores falsas -- foram compiladas a partir de imagens obtidas em 17 de Janeiro de 1986, através de câmara de campo-estreito da Voyager 2.
Crédito: NASA/JPL
(clique na imagem para ver versão maior)

 
Top Thingy Right