Top thingy left
 
BURACO NEGRO MONSTRUOSO DESCOBERTO DURANTE "ALVORADA CÓSMICA"
27 de fevereiro de 2015

 

Cientistas descobriram o quasar mais brilhante no início do universo, alimentado pelo buraco negro mais maciço já conhecido daquela época. A equipa internacional liderada por astrónomos da Universidade de Pequim (China) e da Universidade do Arizona (EUA) anunciou ontem as suas descobertas com um artigo na revista Nature.

A descoberta deste quasar, chamado SDSS J0100+2802, marca um passo importante na compreensão de como os quasares, os objetos mais poderosos do universo, evoluíram desde uma época tão jovem - apenas 900 milhões de anos após o Big Bang (que se pensa ter acontecido há 13,7 mil milhões de anos). O quasar, com o seu buraco negro central de massa equivalente a 12 mil milhões de sóis e luminosidade de 420 biliões de sóis, está a uma distância de 12,8 mil milhões de anos-luz da Terra.

De acordo com Xiaohui Fan, professor de astronomia do Observatório Steward da Universidade do Arizona, coautor do estudo, a descoberta deste quasar ultraluminoso também apresenta um grande quebra-cabeças para a teoria do crescimento dos buracos negros no universo primordial.

"Como pode um quasar tão luminoso, e um buraco negro tão maciço, formarem-se tão cedo na história do universo, numa época logo após a formação das primeiras estrelas e galáxias?", pergunta Fan. "E qual a relação entre este buraco negro monstruoso e o seu ambiente circundante, incluindo a galáxia hospedeira?

"Este quasar ultraluminoso, com o seu buraco negro supermassivo, fornece um laboratório único para o estudo da reunião de massa e formação galáctica em redor dos maiores buracos negros no início do universo."

O quasar remonta a uma altura perto do fim de um evento cósmico importante que os astrónomos referem como "época da reionização": a alvorada cósmica, quando se pensa que a luz das primeiras gerações de galáxias e quasares deu como terminada a "idade das trevas" cósmica e transformou o universo no que vemos hoje.

Descobertos pela primeira vez em 1963, os quasares são os objetos mais poderosos para lá da nossa Via Láctea, irradiando vastas quantidades de energia pelo espaço enquanto o buraco negro supermassivo no seu centro suga matéria dos arredores. Graças à nova geração de estudos digitais do céu, os astrónomos descobriram mais de 200.000 quasares, com idades que variam entre 0,7 mil milhões de anos após o Big Bang até hoje.

Com um brilho equivalente a 420 biliões de sóis, o quasar recém-descoberto é sete vezes mais brilhante que o quasar mais distante conhecido (que está a 13 mil milhões de anos-luz). Ele abriga um buraco negro com 12 mil milhões de massas solares, provando que, entre todos os quasares conhecidos com um grande desvio para o vermelho (muito distantes), é o mais luminoso e com o buraco negro mais maciço.

"Em comparação, a nossa própria Via Láctea tem um buraco negro no seu centro com uma massa equivalente a apenas 4 milhões de sóis; o buraco negro que alimenta este novo quasar é 3000 vezes mais pesado," acrescenta Fan.

Feige Want, estudante de doutoramento na Universidade de Pequim, supervisionado por Fan e Xue-Bing Wu da Universidade chinesa (o autor principal do estudo), foi quem avistou este quasar para um estudo mais aprofundado.

"Este quasar foi descoberto pelo nosso Telescópio Lijiang de 2,4 metros em Yunnan, China, o que o torna no único quasar já descoberto por um telescópio de 2 metros e a esta distância. Estamos muito orgulhosos dele," afirma Wang. "A natureza ultraluminosa deste quasar permitir-nos-á fazer medições sem precedentes da temperatura, estado de ionização e conteúdo metálico do meio intergaláctico durante a época da reionização."

Após a descoberta inicial, dois telescópios no sul do Arizona fizeram o trabalho pesado na determinação da distância e massa do buraco negro: o LBT (Large Binocular Telescope) de 8,4 metros, situado no Monte Graham e o MMT (Multiple Mirror Telescope) de 6,5 metros, situado no Monte Hopkins. Foram feitas mais observações com o Telescópio Magalhães de 6,5 metros no Observatório Las Campanas, Chile, e o GNT (Gemini North Telescope) de 8,2 metros em Mauna Kea, Hawaii, confirmou os resultados.

"Este quasar é muito raro," comenta Xue-Bing Wu, professor do Departamento de Astronomia, na Escola de Física da Universidade de Pequim e diretor associado do Instituto Kavli de Astronomia e Astrofísica. "Assim como o farol mais brilhante do universo distante, a sua luz vai ajudar-nos a aprender mais sobre o início do universo."

Wu lidera uma equipa que desenvolveu um método para selecionar eficazmente quasares no universo distante com base em dados fotométricos óticos e no infravermelho próximo, em particular usando dados do SDSS (Sloan Digital Sky Survey) e do satélite WISE (Wide-Field Infrared Explorer) da NASA.

"Esta é uma grande conquista para o LBT," afirma Fan, que preside o Comité Consultivo Científico do LBT e que também descobriu o recordista anterior de buraco negro mais maciço no início do Universo, com cerca de um-quarto da massa deste objeto recém-descoberto. "Os especialmente sensíveis espectrógrafos óticos e infravermelhos do LBT forneceram a avaliação inicial tanto da distância do quasar como da massa do buraco negro no centro."

Para Christian Veillet, diretor do LBTO (Large Binocular Telescope Observatory), esta descoberta demonstra tanto o poder das colaborações internacionais como o benefício de usar uma variedade de instalações espalhadas por todo o mundo.

Para desvendar ainda mais a natureza deste quasar notável e para lançar luz sobre os processos físicos que levaram à formação dos primeiros buracos negros supermaciços, a equipa científica vai realizar novas investigações sobre este quasar com mais telescópios, incluindo o Telescópio Espacial Hubble e o Telescópio de raios-X Chandra.

Links:

Notícias relacionadas:
Universidade do Arizona (comunicado de imprensa)
LBTO (comunicado de imprensa)
Carnegie Science (comunicado de imprensa)
Universidade Nacional Australiana (comunicado de imprensa)
Nature
Sky & Telescope
Astronomy
PHYSORG
Astronomy Now
SPACE.com
EarthSky
euronews
SIC Notícias
Observador
Diário de Notícias
RTP Notícias
AstroPT

SDSS J0100+2802:
Wikipedia

Quasar:
Wikipedia

Buraco negro supermassivo:
Wikipedia

Universo:
Universo (Wikipedia)
Idade do Universo (Wikipedia)
Estrutura a grande-escala do Universo (Wikipedia)
Big Bang (Wikipedia)
Cronologia do Big Bang (Wikipedia)

LBT (Large Binocular Telescope):
LBTO
Wikipedia

MMT (Multiple Mirror Telescope):
MMTO
Wikipedia

Telescópio Magalhães:
Observatório Las Campanas
Instituto Carnegie
Universidade do Arizona
Wikipedia

Observatório Gemini:
Página oficial
Wikipedia


comments powered by Disqus

 


Impressão de artista de um quasar com um buraco negro supermaciço no universo distante.
Crédito: Zhaoyu Li/NASA/JPL-Caltech/Observatório Misti
(clique na imagem para ver versão maior)


O recém-descoberto quasar SDSS J0100+2802 é o quasar com buraco negro mais maciço e o mais brilhante de todos os quasares distantes conhecidos.
Crédito: Zhaoyu Li/Observatório Yunnan
(clique na imagem para ver versão maior)

 
Top Thingy Right