Top thingy left
 
JUNO ESTÁ EM ÓRBITA DO PODEROSO JÚPITER
5 de julho de 2016

 


Esta impressão de artista mostra a sonda Juno da NASA em Júpiter.
Crédito: NASA/JPL-Caltech
(clique na imagem para ver versão maior)

 

Depois de uma viagem de quase cinco anos até ao maior planeta do Sistema Solar, a sonda Juno da NASA entrou com sucesso em órbita de Júpiter durante uma manobra com a duração de 35 minutos. A confirmação foi recebida cá na Terra pelas 04:53 (hora de Portugal) de hoje.

"O Dia da Independência é sempre algo para comemorar, mas hoje podemos adicionar ao aniversário da América outra razão para celebrar - a Juno está em Júpiter," afirma Charlie Bolden, administrador da NASA. "Com a Juno, vamos mergulhar no desconhecido das grandes cinturas de radiação de Júpiter para investigar não só as profundezas do interior do planeta, como também a formação e evolução de todo o nosso Sistema Solar."

A confirmação da inserção orbital bem-sucedida foi recebida em dados de rastreamento da Juno monitorizados pela instalação de navegação no JPL da NASA em Pasadena, no estado americano da Califórnia, bem como pelo centro de operações da Lockheed Martin em Littleton, Colorado. A telemetria e dados de rastreamento foram recebidos pelas antenas DSN (Deep Space Network) da NASA em Goldstone, Califórnia, e Camberra, Austrália.

"Esta é a única vez que não me importo de ficar preso numa sala sem janelas na noite de 4 de julho," comenta Scott Bolton, investigador principal da Juno e do SwRI (Southwest Research Institute) em San Antonio. "A equipa da missão portou-se lindamente. A aeronave portou-se lindamente. Estamos em grande forma. É um grande dia."

Os eventos pré-planeados que antecederam a queima do motor para a inserção orbital incluíram a alteração da atitude da sonda para apontar o seu motor principal na direção desejada e, em seguida, aumentar a rotação da nave de 2 para 5 rotações por minutos com o intuito de ajudar a estabilizá-la.

A queima do motor principal da Juno começou às 04:18 (hora portuguesa), diminuindo a sua velocidade cerca de 542 m/s e permitindo com que fosse capturada em órbita de Júpiter. Pouco depois da manobra, a Juno virou-se para que os raios do Sol pudessem, mais uma vez, atingir as 18.698 células solares que dão energia à Juno.

"A aeronave funcionou na perfeição, o que é sempre bom quando conduzimos um veículo com 2,7 mil milhões de quilómetros no odómetro," afirma Rick Nybakken, gerente do projeto Juno no JPL. "A inserção orbital em Júpiter era um grande passo e o mais complexo que ainda restava à missão, mas ainda existem outros que têm de ocorrer antes que possamos dar à equipa científica a missão que tanto querem."

Ao longo dos próximos meses, as equipas da Juno vão realizar os testes finais dos subsistemas da sonda, as calibrações finais dos instrumentos científicos e alguma recolha de dados.

"A nossa fase oficial de recolha de dados começa em outubro, mas nós descobrimos um modo de recolher dados muito mais cedo do que o previsto," explica Bolton. "O que, quando falamos do maior corpo planetário do Sistema Solar, é uma coisa muito boa. Há muito para ver e fazer aqui."

O objetivo principal da Juno é compreender a origem e evolução de Júpiter. Com o seu conjunto de nove instrumentos científicos, a Juno vai investigar a existência de um núcleo planetário sólido, mapear o intenso campo magnético de Júpiter, medir a quantidade de água e amónia nas profundezas da atmosfera e observar as auroras do planeta. A missão também irá permitir dar um passo em frente na nossa compreensão de como os planetas gigantes se formam e no papel que estes titãs desempenham na união do resto do Sistema Solar. Como o nosso principal exemplo de um planeta gigante, Júpiter também poderá fornecer conhecimentos críticos para a compreensão de sistemas planetários descobertos em torno de outras estrelas.

 


comments powered by Disqus

 


Esta é a última imagem que o instrumento JunoCam a bordo da sonda Juno obteve antes dos instrumentos serem desligados em preparação para a inserção orbital. A imagem foi captada no dia 29 de junho a 5,3 milhões de quilómetros de Júpiter.
Crédito: NASA/JPL-Caltech/SwRI/MSSS
(clique na imagem para ver versão maior)


Links:

Cobertura da missão Juno pelo Núcleo de Astronomia do CCVAlg:
21/06/2016 - Sonda Juno prestes a chegar ao ambiente de radiação mais perigoso do Sistema Solar
02/08/2011 - Juno mostra campo magnético de Júpiter em HD 
09/04/2010 - NASA começa a construir nova sonda para visitar Júpiter
26/11/2008 - Juno, a próxima missão a Júpiter

Notícias relacionadas:
NASA (comunicado de imprensa)
Science
Astronomy
SPACE.com
Astronomy Now
Universe Today
COSMOS
spaceref
Spaceflight Now
Popular Mechanics
Scientific American
PHYSORG
POPULAR SCIENCE
National Geographic
BBC News
Reuters
The Verge
ars technica
Gizmodo
engadget
Wired
euronews
SIC Notícias
tvi24
Correio da Manhã
Jornal de Notícias
Público
Rádio Renascença
TSF
Observador
diáriodigital
AstroPT

Missão Juno:
NASA
SwRI
Wikipedia

Júpiter:
Núcleo de Astronomia do CCVAlg
Wikipedia

 
Top Thingy Right