Top thingy left
 
BEM-VINDOS À PRIMAVERA!
25 de março de 2016

 


Ilustração animada da órbita terrestre anual indicando o paralelo terrestre à latitude que observa o Sol na vertical ao meio-dia solar em cada instante. A inclinação do eixo de rotação da Terra mantém-se constante.
Crédito: Centro Ciência Viva do Algarve, Filipe Dias
(clique na imagem para ver versão maior)

 

Não devia a primavera ter começado a dia 21 de março, o dia mundial da Floresta (ONU), da Árvore (ONU), da Poesia (UNESCO), da infância (UNICEF) em vez de começar no dia 20?

Oficialmente, a primavera, como todas as estações do ano, é delimitada por instantes observáveis por via da astronomia. No caso desta estação, ela tem início num equinócio, e termina no solstício seguinte. Na astronomia, a noção de equinócio está associada a uma orientação específica do nosso planeta face ao Sol. Um equinócio é o momento em que o Sol e o equador do Planeta estão num mesmo plano. Imaginando que o planeta Terra tivesse anéis tão maravilhosos quanto o são os de Saturno, seria o momento em que a sombra deles ficaria mais fina projetada mesmo no equador!

Quer isto dizer que um equinócio da primavera se repete aproximadamente - descartando a evolução (precessão) do eixo de rotação do Planeta - quando a Terra voltar a estar naquele sítio, na órbita seguinte, um ano depois. Como este tempo não é um número inteiro de dias (ligeiramente inferior a 365 + 1/4 dias), a solução adotada para manter o calendário coerente foi acrescentar ao ano civil bissexto um dia intercalar (o dia 29 de fevereiro), mesmo antes do mês deste equinócio. Esse dia intercalar, que resulta de 4 "quartos-de-dia" acumulados em 4 anos, é uma correção "em excesso". Ou seja, ao acrescentar 24h em vez de 23,3h, está-se a trazer a data do equinócio para números mais baixos em cerca de 40 minutos a cada 4 anos. Por esta razão há nova correção quando os anos são múltiplos de 100, não se insere nenhum dia intercalar e o ano não é bissexto!

Infelizmente, 2016 é ano bissexto e, como pudemos constatar, a primavera já começou no dia 20! Isto significa então que é muito improvável que alguém da idade do autor deste texto volte a assistir a um equinócio terrestre a coincidir com um dia 21 de março! A última vez que isto aconteceu foi em 2007, e a próxima será só depois do ano não-bissexto de 2100, em 2102!

Geometricamente, num equinócio, a luz do Sol ao meio-dia solar ilumina a superfície do planeta na vertical no equador. Num solstício, a zona que recebe a iluminação na vertical a esta hora tem o nome de "trópico". A animação acima ilustra como a zona de iluminação vertical varia ao longo do ano, oscilando entre trópicos. A localização do Centro Ciência Viva do Algarve aparece marcada a vermelho. A diferença de latitude entre o CCVAlg e essa zona corresponde ao ângulo que o sol fará com o zénite quando observado de Faro.

A alusão a anéis da Terra feita há pouco foi propositada. Qualquer planeta que possua uma inclinação do seu eixo face ao plano da sua órbita passará por dois equinócios por período de órbita. O próprio planeta Saturno tem equinócios (a cada 15 anos), e observar os anéis nesta altura foi uma excelente oportunidade para a sonda Cassini por volta de 2008, 2009. Nestas ocasiões, a espessura relativa entre anéis diferentes pode ser comparada pela forma como uns anéis tapam a luz que ilumina outros anéis. Qualquer sombra inesperada num anel expõe facilmente a silhueta de alguma irregularidade difícil de identificar de outro modo.

Sabia que: A posição do Sol no equinócio de março (chamado de "equinócio vernal") marca um ponto especial, um "zero": a referência do início de uma escala angular para medir a posição de tudo o que observamos no céu -- o ponto vernal.

 


comments powered by Disqus

 


A sonda Cassini capturou este mosaico de Saturno dia e meio após o equinócio exacto do planeta, quando o disco do Sol estava exatamente no plano do equador do planeta. Os seus anéis refletem pouca luz solar.
Crédito: NASA
(clique na imagem para ver versão maior)


Esta é uma composição, captada pela sonda Cassini, dos anéis observados de topo numa altura muito próxima do equinócio outonal de Saturno. Para facilitar a representação, foi removido da imagem o disco do planeta.
Crédito: NASA
(clique na imagem para ver versão maior)


Links:

Equinócio:
Wikipedia

Saturno:
Solarviews
Wikipedia
Anéis de Saturno (Wikipedia)

Cassini:
Página oficial (NASA)
Wikipedia

 
Top Thingy Right