Top thingy left
 
TEMPESTADES GLOBAIS EM MARTE LANÇAM TORRES DE POEIRA PARA O CÉU
3 de dezembro de 2019

 


Animações lado a lado de como a tempestade global de poeira de 2018 envolveu o Planeta Vermelho, cortesia da câmara MARCI (Mars Color Imager) a bordo da sonda MRO (Mars Reconnaissance Orbiter) da NASA. Esta tempestade global de poeira fez com que o rover Opportunity perdesse contacto com a Terra.
Crédito: NASA/JPL-Caltech/MSSS

 

As tempestades de poeira são comuns em Marte. Mas, mais ou menos a cada década, acontece algo imprevisível: ocorrem uma série de tempestades descontroladas, cobrindo todo o planeta numa névoa empoeirada.

No ano passado, uma frota de naves espaciais da NASA teve uma visão detalhada do ciclo de vida da tempestade global de poeira de 2018 que encerrou a missão do rover Opportunity. E enquanto os cientistas ainda estão a analisar os dados, dois artigos científicos publicados recentemente lançam uma nova luz sobre um fenómeno observado dentro da tempestade: torres de poeira, ou nuvens de poeira concentrada que aquecem à luz do Sol e se elevam no ar. Os cientistas pensam que o vapor de água preso a poeira pode estar a elevar-se com ela para o espaço, onde a radiação solar quebra as suas moléculas. Isto pode ajudar a explicar como a água de Marte desapareceu ao longo de milhares de milhões de anos.

As torres de poeira são nuvens massivas, rodopiantes e mais densas que sobem muito mais alto do que a poeira de fundo normal na fina atmosfera marciana. Embora também ocorram em condições normais, as torres parecem formar-se em maior número durante tempestades globais.

Uma torre começa à superfície do planeta como uma área de poeira relativamente elevada com algumas dezenas de quilómetros de largura. Quando uma torre atinge uma altura de 80 quilómetros, como observado na tempestade global de poeira de 2018, pode ter várias centenas de quilómetros de largura. À medida que a torre decai, pode formar uma camada de poeira 56 quilómetros acima da superfície com milhares de quilómetros de comprimento.

As descobertas mais recentes sobre as torres de poeira surgem da sonda MRO (Mars Reconnaissance Orbiter) da NASA, liderada pelo JPL em Pasadena, no estado norte-americano da Califórnia. Embora as tempestades de poeira globais cubram a superfície do planeta, a MRO pode usar o seu instrumento MCS (Mars Climate Sounder) com deteção de calor para espiar através da neblina. O instrumento foi construído especificamente para medir os níveis de poeira. Os seus dados, juntamente com imagens de uma câmara a bordo do orbitador chamada MARCI (Mars Context Imager), permitiram aos cientistas detetar inúmeras torres "inchadas" de poeira.

Como é que Marte perdeu a sua água?

As torres de poeira aparecem durante todo o ano marciano, mas a MRO observou algo diferente durante a tempestade de poeira global de 2018. "Normalmente, a poeira cai num dia ou mais," disse o autor principal do artigo, Nicholas Heavens da Universidade Hampton, no estado norte-americano da Virgínia. "Mas durante uma tempestade global, as torres de poeira são renovadas continuamente durante semanas." Em alguns casos foram vistas várias torres durante três semanas e meia.

O ritmo da atividade da poeira surpreendeu Heavens e outros cientistas. Mas especialmente intrigante é a possibilidade de as torres de poeira agirem como "elevadores espaciais" para outros materiais, transportando-os pela atmosfera. Quando a poeira transportada pelo ar aquece, cria correntes de ar que transportam gases, incluindo a pequena quantidade de vapor de água às vezes vista como nuvens finas em Marte.

Um artigo anterior liderado por Heavens mostrou que, durante uma tempestade global de poeira em 2007, as moléculas de água foram lançadas para a atmosfera superior onde a radiação solar pode decompô-las em partículas que escapam para o espaço. Isto pode ser uma pista de como o Planeta Vermelho perdeu os seus lagos e rios ao longo de milhares de milhões de anos, tornando-se no deserto gelado que é hoje.

Os cientistas não sabem dizer com certeza o que provoca as tempestades globais de poeira; estudaram menos de uma dúzia até agora.

"As tempestades globais de poeira são realmente invulgares," disse o cientista do instrumento MCS, David Kass, no JPL. "Não temos realmente nada parecido com isto na Terra, onde o clima do planeta inteiro muda durante vários meses."

Com tempo e mais dados, a equipa da MRO espera entender melhor as torres de poeira criadas nas tempestades globais e que papel podem desempenhar na remoção de água da atmosfera do Planeta Vermelho.

 


comments powered by Disqus

 


A nuvem amarelo-esbranquiçada no centro inferior desta imagem é uma "torre de poeira" de Marte - uma nuvem de poeira concentrada que pode ser elevada a dezenas de quilómetros acima da superfície. As plumas azul-esbranquiçadas são nuvens de vapor de água. Esta imagem foi obtida no dia 30 de novembro de 2010 pela sonda MRO da NASA.
Crédito: NASA/JPL-Caltech/MSSS


// NASA (comunicado de imprensa)
// Artigo científico - 1 (Journal of the Atmospheric Sciences)
// Artigo científico - 2 (Journal of Geophysical Research: Planets)

Saiba mais

CCVAlg - Astronomia:
07/05/2019 - Poeira marciana pode ajudar a explicar perda de água, e outras lições aprendidas graças a tempestade global
24/07/2018 - "Caçadores de tempestades" em Marte à procura de segredos da poeira
26/01/2018 - Tempestades de poeira ligadas à fuga atmosférica de Marte
14/07/2016 - Satélites da NASA revelam padrões sazonais nas tempestades marcianas de areia

Notícias relacionadas:
Universe Today
science alert
spaceref
PHYSORG
inverse
Gizmodo
Forbes

Marte:
CCVAlg - Astronomia
Wikipedia

MRO:
NASA 
JPL 
Wikipedia

Rover Opportunity:
NASA
Wikipedia (MER)

 
Top Thingy Right