Top thingy left
 
ERUPÇÃO RECORDE DE ESTRELA PRÓXIMA REGISTADA PELA PRIMEIRA VEZ EM VÁRIOS COMPRIMENTOS DE ONDA
27 de abril de 2021

 


Impressão de artista da violenta erupção estelar de Proxima Centauri descoberta por cientistas em 2019 usando nove telescópios em todo o espectro eletromagnético, incluindo o ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array). Estes eventos poderosos são frequentes em Proxima Centauri, impactando as estrelas do planeta quase diariamente.
Crédito: NRAO/S. Dagnello

 

Usando o ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array), astrónomos identificaram uma erupção da estrela vizinha mais próxima da Terra, Proxima Centauri, que é 100 vezes mais poderosa do que qualquer outra erupção semelhante vista no Sol. A erupção, que é a maior já registada da estrela, revelou o funcionamento interno de tais eventos aos astrónomos e pode ajudar a moldar a procura por vida para lá do Sistema Solar.

As erupções estelares ocorrem quando a libertação de energia magnética em manchas estelares explode num intenso surto de radiação eletromagnética que pode ser observado em todo o espectro eletromagnético, desde o rádio até aos raios-gama. Esta é a primeira vez que uma única erupção estelar, além das que ocorrem no Sol, foi observada com uma cobertura tão completa de comprimentos de onda. O estudo foi precipitado pela descoberta fortuita de uma erupção de Proxima Centauri em dados de arquivo do ALMA de 2018.

"Nunca tínhamos visto uma anã M entrar em erupção em comprimentos de onda milimétricos antes de 2018, de modo que não se sabia se havia emissão correspondente noutros comprimentos de onda," disse Meredith MacGregor, professora assistente do CASA (Center for Astrophysics and Space Astronomy) e do Departamento de Ciências Planetárias e Astrofísicas da Universidade do Colorado, em Boulder, autora principal do estudo.

Para melhor entender as erupções em Proxima Centauri - uma estrela anã vermelha localizada a cerca de quatro anos-luz da Terra - uma equipa de astrónomos observou a estrela durante um total de 40 horas ao longo de vários meses em 2019 usando nove telescópios no solo e no espaço.

Em maio de 2019, Proxima Centauri ejetou uma violenta erupção que durou apenas sete segundos, mas gerou um surto tanto no ultravioleta como em comprimentos de onda milimétricos. A erupção foi caracterizada por um pico forte e impulsivo nunca antes visto nestes comprimentos de onda. O evento foi registado por cinco dos nove telescópios envolvidos no estudo, incluindo o Telescópio Espacial Hubble no ultravioleta e o ALMA em comprimentos de onda milimétricos.

"A estrela passou de normal para 14.000 vezes mais brilhante quando vista em comprimentos de onda ultravioleta ao longo de alguns segundos," disse MacGregor, acrescentando que um comportamento semelhante foi observado em comprimentos de onda milimétricos ao mesmo tempo pelo ALMA.

"No passado, não sabíamos que estrelas podiam libertar erupções na faixa milimétrica, de modo que esta é a primeira vez que procuramos por erupções nesta gama de comprimentos de onda," disse MacGregor, acrescentando que as novas observações podem ajudar os investigadores a reunir mais informações sobre como as estrelas produzem erupções, que podem ter um impacto na vida próxima.

As erupções poderosas do nosso Sol são invulgares, ocorrendo apenas algumas vezes num ciclo solar. De acordo com MacGregor, este não é o caso em Proxima Centauri. "Os planetas de Proxima Centauri estão a ser atingidos por algo deste género não apenas uma vez por século, mas pelo menos uma vez por dia, senão várias vezes por dia," realça MacGregor.

A estrela é proeminente em discussões sobre a perspetiva de vida em torno de estrelas anãs vermelhas devido à sua proximidade com a Terra e por ser hospedeira de Proxima Centauri b, um planeta que reside na zona habitável da estrela.

"Se houvesse vida no planeta mais próximo de Proxima Centauri, teria que ser muito diferente de qualquer forma de vida na Terra," salientou MacGregor. "Um ser humano neste planeta passaria por mais bocados."

As observações futuras vão concentrar-se em desvendar os muitos segredos por trás das explosões de Proxima Centauri na esperança de descobrir os mecanismos internos que provocam estas poderosas explosões.

"Queremos ver que surpresas esta estrela nos reserva a fim de nos ajudar e compreender a física das erupções estelares," disse MacGregor.

 


comments powered by Disqus

 


Impressão de artista de uma violenta erupção na nossa estrela vizinha, Proxima Centauri. A erupção é a mais poderosa já registada da estrela, e está a dar aos cientistas novas informações sobre a procura de vida em planetas situados em sistemas de anãs M, muitos dos quais têm estrelas invulgarmente vivazes.
Crédito: NRAO/S. Dagnello


// Observatório ALMA (comunicado de imprensa)
// NRAO (comunicado de imprensa)
// Universidade do Colorado em Boulder (comunicado de imprensa)
// Universidade Estatal do Arizona (comunicado de imprensa)
// Carnegie Science (comunicado de imprensa)
// Artigo científico (The Astrophysical Journal Letters)
// Artigo científico (arXiv.org)

Saiba mais

CCVAlg - Astronomia:
02/03/2018 - Poderosa proeminência de Proxima Centauri detetada com o ALMA

Notícias relacionadas:
Universe Today
astrobiology web
AstronomyNow
EarthSky
science alert
CNN
Gizmodo

Proxima Centauri:
Wikipedia

Anãs vermelhas:
Wikipedia

Proxima b:
Exoplanet.eu
Wikipedia

ALMA:
Página principal
ALMA (NRAO)
ALMA (NAOJ)
ALMA (ESO)
Wikipedia

ESO:
Página oficial
Wikipedia

 
Top Thingy Right