Top thingy left
 
O ACUMULAR DE CALOR DO SOL PROVAVELMENTE CONTRIBUI PARA AS TEMPESTADES DE POEIRA DE MARTE
24 de maio de 2022

 


Investigadores da Universidade de Houston encontraram uma ligação entre as tempestades de poeira de Marte e o seu desequilíbrio energético sazonal. Outros estudos poderiam dar uma ideia de como as antigas alterações climáticas afetaram o Planeta Vermelho, talvez até como o futuro da Terra pode ser moldado pelas alterações climáticas. À esquerda, Marte em condições limpas; à direita, Marte envolvido por uma tempestade de poeira sazonal.
Crédito: NASA/JPL/MSSS

 

Uma equipa de investigadores relatou que um desequilíbrio sazonal na quantidade de energia solar absorvida e libertada pelo planeta Marte é uma causa provável das tempestades de poeira que há muito intrigam os observadores.

O desequilíbrio extremo de Marte no que toca ao orçamento energético (um termo que se refere à medição da energia solar que um planeta absorve do Sol e depois liberta como calor) foi documentado pelos investigadores da Universidade de Houston Liming Li, professor associado de física; Xun Jiang, professora de ciências atmosféricas; e Ellen Creecy, estudante de doutoramento e autora principal de um artigo publicado na revista PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences).

"Uma das nossas descobertas mais interessantes é que o excesso de energia - mais energia sendo absorvida do que emitida - poderia ser um dos mecanismos geradores das tempestades de poeira de Marte. Compreender como isto funciona em Marte pode fornecer pistas sobre os papéis que o orçamento energético da Terra assume no desenvolvimento de tempestades severas, incluindo furacões, no nosso próprio planeta," disse Creecy.

Uma fina atmosfera e uma órbita muito elíptica tornam Marte especialmente suscetível a grandes diferenças de temperatura. Absorve quantidades extremas de calor solar quando está mais perto do Sol nas suas estações perielionares (primavera e verão para o hemisfério sul de Marte), que é a mesma parte extrema da órbita em que aparecem as suas tempestades de poeira. À medida que a sua órbita afasta Marte do Sol, é absorvida menos energia solar pelo planeta. Este mesmo fenómeno também acontece na Terra, mas os investigadores descobriram que é especialmente extremo em Marte.

Na Terra, os desequilíbrios energéticos podem ser medidos de acordo com a estação e o ano e desempenham um papel crítico no nosso aquecimento global e nas alterações climáticas. Num projeto separado, Creecy e colegas estão a examinar se o desequilíbrio energético em Marte também existe em escalas de tempo mais longas e, se sim, quais seriam as implicações na mudança climática do planeta.

"Marte não é um planeta que tenha qualquer tipo de mecanismos reais de armazenamento de energia, como nós temos na Terra. Os nossos grandes oceanos, por exemplo, ajudam a equilibrar o sistema climático," disse Creecy.

Ainda assim, Marte contém sinais de que oceanos, lagos e rios foram outrora abundantes. Então, o que aconteceu? Os factos são incertos quanto aos motivos ou quando o planeta se tornou neste globo quente e poeirento com uma abundância de óxido de ferro - ferrugem, na verdade, cuja cor sépia inspirou observadores de há séculos atrás a chamar-lhe o Planeta Vermelho.

"Marte já teve, no passado, oceanos e lagos, mas mais tarde sofreu aquecimento global e alterações climáticas. De alguma forma, Marte perdeu os seus oceanos e lagos. Sabemos que estão a acontecer alterações climáticas agora na Terra. Então, o que é que as lições do que aconteceu em Marte guardam para o futuro da Terra", perguntou Li.

Creecy e colegas chegaram às suas conclusões comparando quatro anos de dados (esses são anos marcianos, aproximadamente equivalentes a oito anos terrestres) das órbitas e temperaturas de Marte com as condições documentadas pelas missões da NASA.

Para os entusiastas planetários, eles notam que muitos dos dados podem ser acedidos gratuitamente a partir do website PDS (Planetary Data Systems) da NASA, embora alguma informação esteja disponível apenas para os investigadores. Colaboraram também com cientistas da NASA, incluindo vários que foram membros-chave de missões passadas, incluindo a Mars Global Surveyor e duas missões, Curiosity e InSight, que ainda estão a operar no solo.

"Se abrirmos os olhos a um campo vasto, a Terra é apenas um planeta. Com apenas um ponto, nunca podemos ver uma imagem completa. Temos de olhar para todos os pontos, todos os planetas, para obter uma imagem completa da evolução da nossa própria Terra. Há muitas coisas que podemos aprender com os outros planetas", disse Li. "Ao estudar a história de Marte, ganhamos muito. O que é a mudança climática? Qual é a fase futura para o nosso planeta? Qual é a evolução da Terra? Tantas coisas que podemos aprender com os outros planetas."

 

 

// Universidade de Houston (comunicado de imprensa)
// Artigo científico (PNAS)

Saiba mais

Marte:
CCVAlg - Astronomia
Wikipedia

Mars Global Surveyor: 
NASA
Wikipedia

Rover Curiosity (MSL):
NASA
NASA - 2 
Facebook
Twitter
Wikipedia

InSight:
NASA
NASA - 2
Twitter
Wikipedia

 
Top Thingy Right