Top thingy left
 
MISSÃO EXOMARS PARTE PARA MARTE
15 de março de 2016

 


A ExoMars 2016 levantou voo a bordo de um foguetão Proton-M a partir de Baikonur, no Cazaquistão.
Crédito: ESA-Stephane Corvaja
(clique na imagem para ver versão maior)

 

A primeira de duas missões conjuntas ESA-Roscosmos até Marte começou uma viagem de sete meses, onde irá abordar os mistérios não resolvidos da atmosfera do planeta que poderão indicar atividade atual geológica ou mesmo biológica.

A TGO (Trace Gas Orbiter) e o veículo de entrada, descida e aterragem Schiaparelli levantaram voo a bordo de um foguetão Proton-M operado pela Roscosmos da Rússia às 09:31 GMT de ontem a partir de Baikonur, no Cazaquistão.

Após a separação do primeiro e do segundo estágio do Proton, a carga científica foi libertada. O terceiro estágio separou-se quase 10 minutos depois da descolagem.

O estágio superior, Breeze-M, que continha a ExoMars, completou então uma série de quatro queimas de combustível antes da nave ser lançada às 20:13 GMT.

Os sinais da sonda foram recebidos no centro de controlo da ESA em Darmstadt, Alemanha, através da estação de rastreio Malindi na África, às 21:29 GMT, e confirmaram que o lançamento foi totalmente bem-sucedido e que a sonda está de boa saúde.

As asas solares do orbitador já estão desdobradas e a nave está a caminho de Marte.

"A viagem de levar a primeira missão ExoMars até à plataforma de lançamento foi longa, mas graças ao trabalho árduo e dedicação das nossas equipas internacionais, uma nova era de exploração marciana está agora ao nosso alcance," afirma Johann-Dietrich Woerner, Diretor-Geral da ESA.

"Agradeço ao nosso parceiro russo, que deu a esta missão o melhor começo possível. Agora vamos explorar Marte juntos."

Igor Komarov, Diretor-Geral da Corporação Espacial Estatal Roscosmos, acrescenta: "só o processo de colaboração produz as melhores soluções técnicas para grandes resultados na investigação. A Roscosmos e a ESA estão confiantes no sucesso da missão."

"Nós não estamos ansiando apenas pelos dados científicos topo-de-gama que a missão vai enviar, como é também importante para preparar o caminho para a segunda missão ExoMars, que vai passar a nossa experiência em observações orbitais até à exploração à superfície e subsuperfície de Marte," afirma Alvaro Giménez, Diretor de Ciência da ESA.

A TGO e a Schiaparelli vão viajar juntas até Marte antes de se separarem no dia 16 de outubro a uma distância de 900.000 km do planeta.

No dia 19 de outubro, a Schiaparelli entrará na atmosfera marciana, descendo até à superfície em menos de seis minutos.

A Schiaparelli vai demonstrar tecnologias fundamentais de entrada, descida e aterragem para missões futuras, e irá realizar uma série de estudos ambientais durante a sua curta missão à superfície.

Por exemplo, irá obter as primeiras medições de campos elétricos na superfície de Marte que, combinadas com medições da concentração de poeira atmosférica, vão fornecer novas informações sobre o papel das forças elétricas no levantamento de poeira - o "gatilho" das tempestades de poeira.

Entretanto, no mesmo dia, a TGO entrará numa órbita elíptica de quatro dias em torno de Marte, levando-a a cerca de 300 km do planeta no seu ponto mais próximo e a aproximadamente 96.000 km no seu ponto mais distante.

Após um ano de "aerotravagem" complexa, manobras durante as quais a sonda vai usar a atmosfera do planeta para baixar lentamente a sua órbita elíptica até uma órbita circular de 400 km, começará a missão científica que analisará gases raros na atmosfera.

O metano é de particular interesse que, na Terra, aponta para processos ativos geológicos ou biológicos.

Um dos principais objetivos da missão é a de seguir a deteção do metano, feita pela Mars Express da ESA em 2004, a fim de compreender os processos em jogo na sua produção e destruição, com uma precisão três ordens de grandeza superior em relação às medições anteriores.

A TGO vai também fotografar características à superfície marciana que poderão estar relacionadas com fontes de gases raros, como por exemplo vulcões. Além disso, será capaz de detetar depósitos enterrados de água gelada que, juntamente com as posições identificadas como fontes destes gases residuais, podem influenciar a escolha dos locais de pouso para missões futuras.

O orbitador também irá agir como retransmissão de dados para a segunda missão ExoMars, que consiste de um rover e de uma plataforma científica estacionária à superfície, com lançamento previsto para maio de 2018, chegando ao Planeta Vermelho no início de 2019.


comments powered by Disqus

 


Visão geral da entrada, descida e sequência de pouso da Schiaparelli em Marte, com o tempo, altitude e velocidade aproximadas dos principais eventos indicados.
Crédito: ESA/ATG medialab
(clique na imagem para ver versão maior)


Impressão de artista da sonda TGO, pertencente à missão ExoMars 2016, em Marte.
Crédito: ESA/ATG medialab
(clique na imagem para ver versão maior)


Links:

Notícias relacionadas:
ESA (comunicado de imprensa)
NASA
Sky & Telescope
SPACE.com
Universe Today
Spaceflight Now
PHYSORG
EarthSky
spaceref
BBC News
gizmag
AstroPT
euronews
RTP
tvi24
diáriodigital
Observador
Correio da Manhã
Jornal de Notícias
ZAP.aeiou

ExoMars TGO:
ESA
Wikipedia

"Lander" Schiaparelli:
ESA
Wikipedia

ExoMars 2018:
ESA
Wikipedia

Marte:
Núcleo de Astronomia do CCVAlg
Wikipedia

 
Top Thingy Right