Top thingy left
 
COLISÃO CATACLÍSMICA MOLDOU A EVOLUÇÃO DE ÚRANO
6 de julho de 2018

 


Imagem de Úrano em cores falsas, obtida em 1998 pelo Hubble, no infravermelho próximo, que mostra bandas de nuvens anéis e luas.
Crédito: NASA e Erich Karkoschka (Universidade do Arizona)
(clique na imagem para ver versão maior)

 

De acordo com uma nova investigação, Úrano foi atingido por um objeto massivo com aproximadamente o dobro do tamanho da Terra, o que provocou a inclinação do planeta e poderia explicar as suas baixíssimas temperaturas.

Astrónomos da Universidade de Durham lideraram uma equipa internacional de especialistas na investigação de como Úrano ficou inclinado de lado e que consequências teria um gigantesco impacto na evolução do planeta.

A equipa realizou as primeiras simulações de computador de alta resolução de diferentes colisões massivas com o gigante gelado a fim de tentar descobrir como o planeta evoluiu.

A investigação confirma um estudo anterior que afirmou que a inclinação de Úrano foi provocada por uma colisão com um objeto massivo - provavelmente um jovem protoplaneta feito de rocha e gelo - durante a formação do Sistema Solar há cerca de 4 mil milhões de anos.

As simulações também sugeriram que os detritos do impactor poderiam ter formado uma fina concha perto da camada gelada do planeta e ter prendido o calor emanado do núcleo de Úrano. Os cientistas disseram que o aprisionamento desse calor interno poderia em parte ajudar a explicar a temperatura extremamente baixa da atmosfera exterior de Úrano (-216º C).

Os achados foram publicados na The Astrophysical Journal.

Impacto gigante

O autor principal, Jacob Kegerreis, investigador de doutoramento do Instituto de Cosmologia Computacional da Universidade de Durham, disse: "Úrano gira de lado, o seu eixo aponta quase em ângulo reto em relação a todos os outros planetas do Sistema Solar. Isto quase certamente foi provocado por um impacto gigante, mas sabemos muito pouco sobre como isto realmente aconteceu e de que outras formas um evento tão violento afetou o planeta."

"Corremos mais de 50 cenários diferentes para o impacto, usando um supercomputador para ver se podíamos recriar as condições que moldaram a evolução do planeta."

"As nossas descobertas confirmam que o resultado mais provável foi que o jovem Úrano esteve envolvido numa colisão cataclísmica com um objeto duas vezes mais massivo que a Terra, se não maior, colocando-o de lado e definindo os eventos que ajudaram a formar o planeta que vemos hoje."

Havia dúvidas sobre como Úrano conseguiu manter a sua atmosfera aquando da violenta colisão, que a poderia ter expelido para o espaço.

De acordo com as simulações, isto pode muito provavelmente ser explicado pelo objeto que "raspou" o planeta durante a colisão. A colisão foi forte o suficiente para afetar a inclinação de Úrano, mas o planeta foi capaz de reter a maioria da sua atmosfera.

Anéis e luas

A investigação também poderá ajudar a explicar a formação dos anéis e luas de Úrano, com as simulações a sugerir que o impacto poderia ter lançado pedras e gelos para órbita em redor do planeta. Estas rochas e gelos podem ter-se agrupado para formar os satélites interiores do planeta e talvez alterado a rotação de quaisquer luas pré-existentes já em órbita de Úrano.

As simulações mostram que o impacto pode ter derretido gelo e pedaços de rocha dentro do planeta. Isto pode ajudar a explicar o campo magnético inclinado e fora do centro de Úrano.

Úrano é semelhante ao tipo mais comum de exoplanetas - planetas para lá do nosso Sistema Solar - e os investigadores esperam que as suas descobertas ajudem a explicar como esses planetas evoluíram e a entender mais sobre a sua composição química.

O Dr. Luis Teodoro, coautor do artigo, do Centro de Pesquisa Ames da NASA, disse: "Todas as evidências apontam para que os impactos gigantescos tenham sido frequentes durante a formação planetária, e com este tipo de investigação estamos agora a obter mais informações sobre os seus efeitos em exoplanetas potencialmente habitáveis."

 


comments powered by Disqus

 

Links:

Notícias relacionadas:
Universidade de Durham (comunicado de imprensa)
Artigo científico (The Astrophysical Journal)
SPACE.com
ScienceDaily
PHYSORG
Science alert
Popular Mechanics
Gizmodo

Úrano:
Núcleo de Astronomia do CCVAlg
Wikipedia

 
Top Thingy Right