Top thingy left
 
CONFIRMADO O PRIMEIRO CANDIDATO A EXOPLANETA DO TELESCÓPIO KEPLER, DEZ ANOS APÓS O LANÇAMENTO
8 de março de 2019

 


Impressão de artista do sistema Kepler-1658. As ondas sonoras que se propagam pelo interior estelar foram usadas para caracterizar a estrela e o planeta. Kepler-1658b, que completa uma órbita em apenas 3,8 dias, foi o primeiro candidato a exoplaneta descoberto pelo Kepler há quase 10 anos.
Crédito: Gabriel Perez Diaz/Instituto de Astrofísica das Canárias

 

Uma equipa internacional de astrónomos liderada pela estudante Ashley Chontos da Universidade do Hawaii, anunciou a confirmação do primeiro candidato a exoplaneta identificado pela missão Kepler da NASA. O resultado foi apresentado na quinta Conferência Científica Kepler/K2 em Glendale, no estado norte-americano da Califórnia.

Lançado há quase exatamente 10 anos atrás, o Telescópio Espacial Kepler descobriu milhares de exoplanetas usando o método de trânsito - pequenas diminuições no brilho estelar quando um ou mais planetas passam em frente da estrela, da perspetiva do Sistema Solar. Dado que outros fenómenos podem imitar os trânsitos, os dados do Kepler revelam candidatos a planeta, mas são necessárias análises adicionais para os confirmar como planetas genuínos.

Apesar de ter sido o primeiro candidato a planeta descoberto pelo Telescópio Espacial Kepler da NASA, o objeto agora conhecido como Kepler-1658b teve um caminho difícil até à confirmação. A estimativa inicial do tamanho da estrela-mãe estava incorreta, de modo que os tamanhos de Kepler-1658 e de Kepler-1658b foram amplamente subestimados. Mais tarde, foi posto de lado como falso positivo, quando os números não faziam muito sentido para os efeitos vistos na sua estrela para um corpo daquele tamanho. Por sorte, o primeiro projeto científico de Chontos, que se concentrou na reanálise das estrelas do Kepler, teve lugar na altura certa.

"A nossa nova análise, que usa ondas sonoras estelares observadas nos dados do Kepler para caracterizar a estrela hospedeira, demonstrou que a estrela é de facto três vezes maior do que se pensava anteriormente. Isto, por sua vez, significa que o planeta é três vezes maior, revelando que Kepler-1658b é na realidade um Júpiter quente," explicou Chontos. Com esta análise refinada, tudo indicava que o objeto era realmente um planeta, mas ainda era necessária confirmação com novas observações.

"Alertámos Dave Latham (astrónomo do Observatório Astrofísico do Smithsonian e coautor do artigo científico) e a sua equipa recolheu os dados espectroscópicos necessários para mostrar claramente que Kepler-1658b é um planeta," disse Dan Huber, coautor e astrónomo da Universidade do Hawaii. "Como um dos pioneiros da ciência exoplanetária e uma figura chave por trás da missão Kepler, foi particularmente apropriado que Dave fizesse parte desta confirmação."

Kepler-1658 é 50% mais massiva e três vezes maior que o Sol. O planeta recém-confirmado orbita a uma distância de apenas duas vezes o diâmetro da estrela, tornando-o um dos planetas mais próximos de uma estrela evoluída - uma que se assemelha a uma futura versão do nosso Sol. À superfície de Kepler-1658b, a estrela teria 60 vezes o diâmetro do Sol quando visto da Terra.

Os planetas em órbita de estrelas evoluídas, parecidas com Kepler-1658, são raros, e a razão para esta ausência é pouco compreendida. A natureza extrema do sistema Kepler-1658 permite que os astrónomos coloquem novas restrições nas interações físicas complexas que podem fazer com que os planetas entrem em espiral em direção às suas estrelas hospedeiras. Os detalhes sobre Kepler-1658b sugerem que este processo ocorre mais lentamente do que se pensava e, portanto, pode não ser o principal motivo para a falta de planetas em torno de estrelas mais evoluídas.

"Kepler-1658 é um exemplo perfeito de porque uma melhor compreensão das estrelas que hospedam exoplanetas é tão importante," disse Chontos. "Também nos diz que existem muitos tesouros por encontrar nos dados do Kepler."

 


comments powered by Disqus

 

// Instituto de Astronomia da Universidade do Hawaii (comunicado de imprensa)
// NASA (comunicado de imprensa)
// Instituto SETI (comunicado de imprensa)
// Universidade de Birmingham (comunicado de imprensa)
// Universidade de Sydney (comunicado de imprensa)
// Artigo científico (PDF)

Saiba mais

Notícias relacionadas:
SPACE.com
ScienceNews
spaceref
PHYSORG
CNN
Newsweek
Notícias ao Minuto
SAPO24
SOL
Jornal i
Expresso
Visão
Observador

Kepler-1658b:
NASA Exoplanet Archive

Exoplanetas:
Wikipedia
Lista de planetas (Wikipedia)
Lista de exoplanetas potencialmente habitáveis (Wikipedia)
Lista de extremos (Wikipedia)
Open Exoplanet Catalogue
PlanetQuest
Enciclopédia dos Planetas Extrasolares

Telescópio Espacial Kepler:
NASA (página oficial)
K2 (NASA)
Arquivo de dados do Kepler
Arquivo de dados da missão K2

 
Top Thingy Right