Top thingy left
 
RIOS FLUÍRAM EM MARTE DURANTE MUITO TEMPO
2 de abril de 2019

 


A linha tracejada assinala a posição do canal de rio preservado.
Crédito: NASA/JPL/Universidade do Arizona/Universidade de Chicago

 

Há muito tempo, em Marte, a água esculpiu leitos de rios profundos à superfície do planeta - mas ainda não sabemos que tipo de clima os alimentou. Os cientistas não têm a certeza porque a sua compreensão do clima marciano, há milhares de milhões de anos, permanece incompleta.

Um novo estudo por cientistas da Universidade de Chicago catalogou esses rios para concluir que um escoamento significativo de rios persistiu em Marte durante mais tempo do que se pensava anteriormente. Segundo o estudo, publicado na edição de 27 de março da revista Science Advances, o escoamento foi intenso - os rios em Marte eram mais largos do que os da Terra de hoje - e ocorreram em centenas de locais no Planeta Vermelho.

Isto complica a imagem para os cientistas que querem modelar o antigo clima marciano, disse o autor principal do estudo, Edwin Kite, professor assistente de ciências geofísicas e especialista tanto da história de Marte quanto dos climas de outros mundos. "Já é difícil explicar rios ou lagos com base nas informações que temos," disse. "Isto torna um problema difícil ainda mais complexo."

Mas, disse, as restrições podem ser úteis para analisar as muitas teorias que os investigadores propuseram para explicar o clima.

Marte é atravessado por trilhas distintas de rios extintos há muito tempo. As naves da NASA tiraram fotos de centenas destes rios a partir de órbita e, quando o rover Curiosity pousou em 2012, enviou imagens de seixos arredondados durante muito tempo no fundo de um rio.

Mas o porquê de Marte, no passado, ter tido água líquida, é um enigma. Marte tem hoje uma atmosfera extremamente fina e no início da sua história também recebia apenas um-terço da luz solar que a Terra de hoje recebe, o que não deveria fornecer calor suficiente para manter a água líquida. "De facto, mesmo no passado de Marte, quando havia água suficiente para a existência de rios durante algum tempo, os dados indicam que Marte era extremamente frio e seco no tempo restante," explicou Kite.

Procurando uma melhor compreensão da precipitação marciana, Kite e colegas analisaram fotografias e modelos de elevação de mais de 200 antigos leitos de rios marcianos, abrangendo mais de mil milhões de anos. Estes leitos de rio são uma rica fonte de pistas sobre a água que os atravessou e o clima que os produziu. Por exemplo, a largura e a inclinação dos leitos dos rios e o tamanho do cascalho informam os cientistas sobre a força do fluxo da água e a quantidade de cascalho restringe o volume de água que passa.

A sua análise mostra evidências claras de escoamento persistente e forte que ocorreu no último estágio do clima húmido," acrescentou Kite.

Os resultados fornecem orientação para aqueles que tentam reconstruir o clima marciano, disse Kite. Por exemplo, o tamanho dos rios implica que a água estava a fluir continuamente, não apenas ao meio-dia, de modo que os modeladores climáticos precisam de explicar um forte efeito de estufa para manter o clima aquecido o suficiente para temperaturas diurnas médias acima do ponto de congelamento da água.

Os rios também mostram forte fluxos até ao "último minuto" geológico antes do clima húmido ter secado. "Esperaríamos que diminuíssem gradualmente com o tempo, mas não é isso que vemos," realça Kite. Os rios ficam mais curtos - centenas de quilómetros, em vez de milhares -, mas a descarga ainda é forte. "O dia mais chuvoso do ano ainda é muito molhado."

É possível que o clima tenha tido uma espécie de interruptor 'ligado/desligado'," especulou Kite, que oscila entre os ciclos secos e molhados.

"O nosso trabalho responde a algumas perguntas existentes, mas levanta uma nova. O que está errado: os modelos climáticos, os modelos de evolução atmosférica ou a nossa compreensão básica da cronologia do Sistema Solar interior?", concluiu.

 


comments powered by Disqus

 

// Universidade de Chicago (comunicado de imprensa)
// Artigo científico (Science Advances)

Saiba mais

Notícias relacionadas:
Astronomy
SPACE.com
Smithsonian.com
Discover
PHYSORG
Live Science
New Scientist
Science alert
Futurism
ScienceDaily
National Geographic
METRO
Newsweek
Diário de Notícias
Jornal de Notícias
Correio da Manhã
RTP
SIC Notícias
tvi24
TSF
SAPO
Observador
ZAP.aeiou

Marte:
CCVAlg - Astronomia
Wikipedia

Rover Curiosity (MSL):
NASA
NASA - 2 
Facebook
Twitter
Wikipedia

 
Top Thingy Right