Top thingy left
 
GEOLOGIA DE CAMPO NO EQUADOR DE MARTE APONTA PARA ANTIGA MEGAINUNDAÇÃO
24 de novembro de 2020

 


Esta composição a cores falsas do Monte Sharp dentro da Cratera Gale em Marte mostra aos geólogos um ambiente planetário em mudança. Em Marte, o céu não é azul, mas a imagem foi modificada para parecer ser da Terra para que os cientistas pudessem distinguir entre as camadas de estratificação.
Crédito: NASA/JPL-Caltech

 

Inundações de magnitude inimaginável varreram a Cratera Gale no equador de Marte há cerca de 4 mil milhões de anos - uma descoberta que sugere a possibilidade de que a vida possa ter lá existido, de acordo com dados recolhidos pelo rover Curiosity da NASA e analisados num projeto conjunto por cientistas da Universidade Estatal de Jackson, de Cornell, do JPL e da Universidade do Hawaii. A investigação foi publicada dia 5 de novembro na revista Nature Scientific Reports.

A furiosa megainundação - provavelmente desencadeada pelo calor de um impacto meteorítico, que libertou o gelo armazenado na superfície marciana - criou ondulações gigantescas que são estruturas geológicas reveladoras familiares aos cientistas na Terra.

"Nós identificámos megainundações pela primeira vez usando dados sedimentológicos detalhados observados pelo rover Curiosity," disse o coautor Albert G. Fairén, astrobiólogo visitante da Faculdade de Artes e Ciências de Cornell. "Os depósitos deixados por megainundações não foram identificados anteriormente com dados de orbitadores."

Como é o caso na Terra, as características geológicas, incluindo o trabalho da água e do vento, foram temporalmente "congeladas" em Marte durante cerca de 4 mil milhões de anos. Estas características transmitem processos que moldaram a superfície de ambos os planetas no passado.

Este caso inclui a ocorrência de características gigantes parecidas com ondas nas camadas sedimentares da Cratera Gale, muitas vezes chamadas "megaondulações" ou antidunas que têm cerca de 9 metros e espaçadas cerca de 137 umas das ourtas, de acordo com o autor principal Ezat Heydari, professor de física na Universidade Estatal de Jackson, no estado norte-americano de Mississippi.

As antidunas são indicativas do fluxo de megainundações no fundo da Cratera Gale de Marte há cerca de 4 mil milhões de anos, que são idênticas às características formadas pelo derreter de gelo na Terra há cerca de 2 milhões de anos, disse Heydari.

A causa mais provável da inundação de Marte foi o derretimento de gelo com o calor gerado por um grande impacto, que libertou dióxido de carbono e metano dos reservatórios gelados do planeta. O vapor de água e a libertação de gases combinaram-se para produzir um curto período de condições quentes e húmidas no Planeta Vermelho.

A condensação formou nuvens de vapor de água, que por sua vez criaram chuvas torrenciais, possivelmente por todo o planeta. A água entrou na Cratera Gale, depois combinada com a água que descia pela encosta do Monte Sharp (na Cratera Gale) para produzir enchentes gigantescas que depositaram as cristas de cascalho na Unidade de Planícias Hummocky e as formações de bandas de cristas e vales na Unidade Estriada.

A equipa científica do rover Curiosity já estabeleceu que a Cratera Gale teve lagos e riachos persistentes no passado. Estes corpos de água duradouros são bons indicadores que a cratera, bem como o Monte Sharp no seu interior, eram capazes de sustentar vida microbiana.

"No início, Marte era um planeta extremamente ativo de um ponto de vista geológico," disse Fairén. "O planeta tinha as condições necessárias para suportar a presença de água líquida na superfície - e na Terra, onde há água, há vida.

"De modo que o jovem Marte era um planeta habitável," disse. "Era habitado? Essa é uma pergunta que o próximo rover Perseverance... vai ajudar a responder."

O Perseverance, que foi lançado a partir de Cabo Canaveral no dia 30 de julho, tem chegada a Marte prevista para o dia 18 de fevereiro de 2021.

 


comments powered by Disqus

 

// Universidade de Cornell (comunicado de imprensa)
// Artigo científico (Nature Scientific Reports)

Saiba mais

Marte:
CCVAlg - Astronomia
Wikipedia

Cratera Gale:
Wikipedia
Monte Sharp (Wikipedia)

Rover Curiosity (MSL):
NASA
NASA - 2 
Facebook
Twitter
Wikipedia

Rover Perseverance:
NASA
NASA - 2
Facebook
Twitter
Wikipedia

 
Top Thingy Right