Top thingy left
 
Cicatriz de metais encontrada em estrela canibal
1 de março de 2024
 

Esta imagem artística mostra a anã branca magnética WD 0816-310, onde os astrónomos encontraram um género de cicatriz na sua superfície resultante da "ingestão" de restos planetários.
Quando se aproximam da anã branca, objetos como planetas ou asteroides desfazem-se, formando um disco de restos em torno da estrela morta. Parte deste material pode ser "devorado" pela anã branca, deixando traços de certos elementos químicos na sua superfície.
Com o auxílio do VLT (Very Large Telescope) do ESO, os astrónomos descobriram que a assinatura destes elementos químicos varia periodicamente com a rotação da estrela, do mesmo modo que o campo magnético. Isto significa que os campos magnéticos guiaram estes elementos em queda na estrela, concentrando-os nos polos magnéticos e dando origem à cicatriz que aqui vemos.
Crédito: ESO/L. Calçada
 
     
 
 
 

Quando uma estrela como o Sol chega ao final da sua vida, pode "ingerir" planetas e asteroides do seu meio circundante e que nasceram com ela. Agora, com o auxílio do VLT (Very Large Telescope) do ESO, no Chile, os investigadores encontraram pela primeira vez uma assinatura única deste processo: uma espécie de cicatriz na superfície de uma estrela anã branca. Os resultados foram publicados na revista The Astrophysical Journal Letters.

"É bem sabido que algumas anãs brancas, remanescentes de estrelas como o nosso Sol que arrefecem lentamente, estão a canibalizar pedaços dos seus sistemas planetários. Agora descobrimos que o campo magnético da estrela desempenha um papel fundamental neste processo, resultando numa espécie de cicatriz na superfície da anã branca", disse Stefano Bagnulo, astrónomo do Observatório & Planetário de Armagh, na Irlanda do Norte, Reino Unido, principal autor do estudo.

A "cicatriz" que a equipa observou trata-se de uma concentração de metais bem marcada na superfície da anã branca WD 0816-310, o remanescente do tamanho da Terra de uma estrela semelhante (apenas um pouco maior) ao nosso Sol. "Demonstrámos que estes metais são originários de um fragmento planetário tão grande ou talvez até maior do que Vesta, o qual tem cerca de 500 km de diâmetro e é o segundo maior asteroide do Sistema Solar", explicou Jay Farihi, professor da University College London, Reino Unido, coautor do estudo.

As observações forneceram também pistas sobre a forma como a estrela obteve esta cicatriz metálica. A equipa notou que a intensidade da deteção de metais mudava à medida que a estrela rodava, o que sugere que os metais se concentram numa área específica da anã branca, em vez de se espalharem por toda a sua superfície. Os investigadores descobriram também que estas mudanças estão sincronizadas com as mudanças no campo magnético da anã branca, indicando que esta cicatriz de metais está localizada num dos seus polos magnéticos. Todas estas pistas em conjunto parecem indicar que o campo magnético canalizou metais para a estrela, criando esta marca.

"Surpreendentemente, o material não se encontra uniformemente distribuído na superfície da estrela, como previsto pela teoria. Em vez disso, esta cicatriz é uma mancha concentrada de material planetário, mantido neste sítio pelo mesmo campo magnético que guiou os fragmentos em queda", disse o coautor John Landstreet, professor da Universidade de Western Ontario, Canadá, também afiliado ao Observatório & Planetário de Armagh. "Nunca tínhamos observado até agora nada deste género".

Para chegar a estas conclusões, a equipa utilizou o instrumento FORS2 montado no VLT, que permitiu aos cientistas detetar esta cicatriz metálica e relacioná-la com o campo magnético da estrela. "O ESO tem uma combinação única de capacidades necessárias para observar objetos ténues, como é o caso das anãs brancas, e medir campos magnéticos estelares com bastante sensibilidade”, disse Bagnulo. No seu estudo, a equipa utilizou igualmente dados de arquivo do instrumento X-shooter do VLT para confirmar os resultados.

Tirando partido de observações como estas, os astrónomos conseguem determinar a composição da maioria dos exoplanetas — planetas que orbitam outras estrelas fora do Sistema Solar. Este estudo único mostra igualmente como os sistemas planetários podem permanecer dinamicamente ativos, mesmo depois de "mortos".

 

// ESO (comunicado de imprensa)
// UCL (comunicado de imprensa)
// Artigo científico (The Astrophysical Journal Letters)
// Artigo científico (arXiv.org)

 


Quer saber mais?

Notícias relacionadas:
EurekAlert!
SPACE.com
ScienceDaily
COSMOS
PHYSORG
science alert
CNN
Reuters
Newsweek
SAPO

Anãs brancas:
Wikipedia
NASA

VLT (Very Large Telescope):
ESO
Wikipedia
FORS2 (ESO)
X-shooter (ESO)

ESO:
Página oficial
Wikipedia

 
   
 
 
 
Top Thingy Right