Top thingy left
 
As barras estelares mostram que as galáxias evoluíram mais depressa do que se pensava
30 de abril de 2024
 

Impressão de artista que mostra a estrutura da Via Láctea, que está catalogada como uma galáxia espiral barrada. A barra é a estrutura alongada e amarelada que atravessa o centro da Galáxia.
Crédito: NASA/JPL-Caltech/ESO/R. Hurt
 
     
 
 
 

Uma equipa internacional de astrónomos, liderada por investigadores da Universidade de Durham, Reino Unido, recuou mais de dez mil milhões de anos no passado para descobrir que as primeiras galáxias do Universo se desenvolveram muito mais rapidamente do que os cientistas pensavam.

Os investigadores encontraram evidências da formação de barras galácticas quando o Universo tinha apenas alguns milhares de milhões de anos.

As barras são faixas alongadas de estrelas que se encontram em galáxias em disco ou espirais como a nossa Via Láctea.

À medida que as barras se desenvolvem, regulam a formação de estrelas numa galáxia, empurrando o gás para a região central da galáxia. A sua presença indica aos cientistas que as galáxias entraram numa fase de maturidade.

Telescópio Espacial James Webb

A equipa de investigação utilizou o Telescópio Espacial James Webb (JWST) para fazer a sua descoberta.

Estudos anteriores realizados com o Telescópio Espacial Hubble, menos potente, tinham sido capazes de detetar galáxias a formar barras até há oito ou nove mil milhões de anos.

Mas a sensibilidade melhorada e a gama de comprimentos de onda em que o JWST opera permitiram com que os investigadores conseguissem ver o fenómeno a acontecer ainda mais atrás no tempo.

Das amostra de galáxias observadas, os investigadores verificaram que quase 20 por cento tinham barras - três a quatro vezes mais do que o observado pelo Hubble.

 
A galáxia EGS_31125, situada a 10,6 mil milhões de anos-luz, vista à esquerda pelo Telescópio Espacial Hubble e à direita pelo Telescópio Espacial James Webb. Na primeira imagem, não é possível discernir a barra da galáxia, ao passo que na da direita é (delineada no centro pela elipse púrpura).
Crédito: Zoe Le Conte
 

Repensando as teorias sobre a evolução das galáxias

Os investigadores afirmam que o facto de as galáxias do Universo primitivo estarem a amadurecer muito mais depressa do que se pensava é uma verdadeira surpresa.

Nessa fase, seria de esperar que o Universo fosse muito turbulento, com muitas colisões entre galáxias e muito gás que ainda não se tinha transformado em estrelas, mas a investigação mais recente sugere que não é esse o caso.

Isto significa que os cientistas poderão ter de repensar as suas teorias sobre a evolução das galáxias nas fases iniciais da formação do Universo.

// Universidade de Duhram (comunicado de imprensa)
// Artigo científico (Monthly Notices of the Royal Astronomical Society)
// Artigo científico (arXiv.org)

 


Quer saber mais?

Galáxia espiral barrada:
CCVAlg - Astronomia
Wikipedia

Cronologia do Universo:
Wikipedia

JWST (Telescópio Espacial James Webb):
NASA
STScI
STScI (website para o público)
ESA
ESA/Webb
Wikipedia
Facebook
X/Twitter
Instagram
Blog do JWST (NASA)
Programas DD-ERS do Webb (STScI)
Ciclo 2 GO do Webb (STScI)
NIRISS (NASA)
NIRCam (NASA)
MIRI (NASA)
NIRSpec (NASA)

Telescópio Espacial Hubble:
Hubble, NASA 
ESA
Hubblesite
STScI
SpaceTelescope.org
Base de dados do Arquivo Mikulski para Telescópios Espaciais
Arquivo de Ciências do eHST

 
   
 
 
 
Top Thingy Right