Top thingy left
 
E assim desaparece o planeta natal de Spock
31 de maio de 2024
 

Ilustração do planeta anteriormente proposto, HD 26965 b - frequentemente comparado com o fictício "Vulcan" da franchise Star Trek.
Crédito: JPL-Caltech
 
     
 
 
 

A possível deteção de um planeta em órbita de uma estrela que a franchise Star Trek tornou famosa atraiu entusiasmo e muita atenção quando foi anunciada em 2018. Apenas cinco anos depois, o planeta parecia estar em terreno movediço quando outros investigadores questionaram a sua existência. Agora, medições de precisão utilizando um instrumento da NASA-NSF, instalado há alguns anos no topo de Kitt Peak, no estado norte-americano do Arizona, parecem ter devolvido o planeta Vulcan ainda mais definitivamente para o reino da ficção científica.

Dois métodos de deteção exoplanetária - planetas que orbitam outras estrelas - dominam todos os outros na busca contínua por novos mundos estranhos. O método de trânsito, que analisa pequenas quedas na luz estelar quando um planeta atravessa a face da sua estrela, é responsável pela grande maioria das deteções. Mas o método da "velocidade radial" também tem acumulado uma boa parte das descobertas de exoplanetas. Este método é especialmente importante para sistemas com planetas que, do ponto de vista da Terra, não atravessam as faces das suas estrelas. Acompanhando mudanças subtis na luz estelar, os cientistas podem medir "oscilações" na própria estrela, à medida que a gravidade de um planeta em órbita a puxa para um lado e depois para outro. Para planetas muito grandes, o sinal de velocidade radial conduz maioritariamente à deteção inequívoca de planetas. Mas os planetas não tão grandes podem ser problemáticos.

Até os cientistas que fizeram a deteção original e possível do planeta HD 26965 b - quase imediatamente comparado com o fictício planeta Vulcan da saga Star Trek - advertiram que poderia acabar por ser apenas perturbações estelares disfarçadas de planeta. Os investigadores relataram a existência de uma "super-Terra" - maior do que a Terra, mais pequena do que Neptuno - numa órbita de 42 dias em torno de uma estrela semelhante ao Sol, a cerca de 16 anos-luz de distância. A nova análise, que usa medições de velocidade radial de alta precisão ainda não disponíveis em 2018, confirma que a cautela sobre a possível descoberta era justificada.

A má notícia para os fãs de Star Trek vem de um instrumento conhecido como NEID, uma adição recente ao complexo de telescópios do Observatório Nacional de Kitt Peak. O NEID, tal como outros instrumentos de velocidade radial, baseia-se no efeito Doppler: mudanças no espetro de luz de uma estrela que revelam os seus movimentos oscilantes. Neste caso, a análise do suposto sinal do planeta em vários comprimentos de onda de luz, emitidos a partir de diferentes níveis da camada exterior da estrela, ou fotosfera, revelou diferenças significativas entre as medições individuais de comprimento de onda - os seus desvios Doppler - e o sinal total quando todos foram combinados. Isto significa que, muito provavelmente, o sinal do planeta é realmente a cintilação de algo na superfície da estrela que coincide com uma rotação de 42 dias - talvez a agitação de camadas mais quentes e mais frias por baixo da superfície da estrela, chamada convecção, combinada com características da superfície estelar como manchas e "praias", que são regiões brilhantes e ativas. Ambas podem alterar os sinais de velocidade radial de uma estrela.

Embora a nova descoberta, pelo menos para já, retire à estrela 40 Eridani A o seu possível planeta Vulcan, as notícias não são de todo más. A demonstração de medições de velocidade radial tão bem calibradas promete fazer distinções observacionais mais nítidas entre planetas reais e os abalos e agitações nas superfícies de estrelas distantes.

// NASA (comunicado de imprensa)
// Artigo científico (The Astronomical Journal)
// Artigo científico (arXiv.org)

 


Quer saber mais?

CCVAlg - Astronomia:
21/09/2018 - Explorando novos mundos: encontrado o planeta Vulcan de "Star Trek"

Notícias relacionadas:
SPACE.com
Universe Today
ScienceAlert
PHYSORG

Eridani 40:
Wikipedia

"Praia" estelar:
Wikipedia

Observatório Nacional de Kitt Peak:
Página oficial
Wikipedia
Telescópio WIYN de 3,5 metros (página principal)
Telescópio WIYN de 3,5 metros (Wikipedia)
NEID (NOIRLab)
NEID (PennState)

Star Trek:
Página oficial
Wikipedia
Spock (Wikipedia)
Vulcan (Wikipedia)

 
   
 
 
 
Top Thingy Right