Top thingy left
 
OS CONTÍNUOS MISTÉRIOS DO SOL
24 de Outubro de 2007
 

O Sol situa-se no coração do nosso Sistema Solar, mas ainda esconde muitos segredos da Ciência. A descoberta destes mistérios poderá trazer alguma luz sobre a misteriosa actividade vista em outras estrelas e até mesmo salvar vidas.

Uma estrela explosiva

O Sol está literalmente explodindo de energia, expelindo violentamente proeminências solares, ejecções de massa coronal e outros tipos de erupções na ordem das centenas de vezes por ano. O número de explosões e manchas solares que o Sol liberta tende a aumentar e a diminuir ao longo de um "ciclo solar" com a duração aproximada de 11 anos, ciclo este que permanece ainda incerto.

Os astrofísicos geralmente concordam que o ciclo solar é conduzido pelo dínamo solar - o gás electricamente carregado dentro do Sol que gere o seu campo magnético - e por flutuações magnéticas que despoletam explosões solares. "Mas está ainda por descobrir qual dos modelos de dínamo solar é o correcto," disse o físico solar, Paul Charbonneau, da Universidade de Montreal.

O estudo do dínamo solar pode ajudar a prever quando as explosões solares ocorrem, "que podem pôr em perigo as vidas dos astronautas, os satélites no espaço e danificar as linhas eléctricas na Terra," disse Charbonneau. Mas a questão de saber se os cientistas podem ou não prever o ciclo solar permanece ainda sem resposta - há quem diga que é fisicamente impossível de prever.

A coroa super-quente

Tal como um fogo parece mais quente quanto mais próximo estamos dele, assim é o núcleo do Sol em relação à sua superfície. Misteriosamente, no entanto, a coroa - a atmosfera do Sol - é bem mais quente que a sua superfície. A superfície do Sol tem uma temperatura da ordem dos 5500 graus Celsius. A coroa, por outro lado, tem entre um a três milhões de graus, ou mais.

O porquê da coroa ser super-quente é um tema de debate bastante quente. Alguns cientistas sugerem que os campos magnéticos do Sol aquecem a coroa, enquanto outros propõem que este super-aquecimento é impulsionado por ondas do Sol. "Não me surpreenderia se estes dois mecanismos trabalhassem em conjunto. Não são mutuamente exclusivos," disse Bernhard Fleck, cientista do projecto SOHO (Solar and Heliospheric Observatory).

O Mínimo de Maunder

Estranhamento, o ciclo solar parece já ter "ido de férias" uma vez durante 70 anos. Apenas 50 manchas solares foram observadas durante este Mínimo de Maunder entre 1645 e 1715, em contraste com as esperadas 40.000 a 50.000.

A pesquisa na realidade sugere que semelhantes fases de baixa actividade já ocorreram várias vezes nos últimos 10.000 anos, o Sol estando neste modo "quieto" durante 15% do tempo, disse Charbonneau. O porquê disto acontecer é ainda incerto, embora existam modelos do Sol que sugiram que o dínamo solar possa aumentar ou diminuir o ciclo solar.

O Mínimo Maunder também coincidiu em parte com a Pequena Idade do Gelo, levando a debates sobre se o Sol teria ou não sido a causa da mudança climática passada, ou se também desempenha um papel na actual mudança climática global. "O acordo entre a maioria dos cientistas enumera que embora o Sol tenha tido um papel influente no clima da Terra no passado, as recentes e dramáticas mudanças climáticas não são provocadas pelo Sol mas são devidas aos efeitos de estufa provocados pelo Homem," disse Fleck.

Parentes erráticos

A maioria das estrelas como o Sol na realidade comportam-se mais erraticamente que o nosso Sol. "Mais de metade das estrelas tipo-Sol ou têm ciclos que estão lentamente a aumentar ou a diminuir (no que respeita à sua actividade ao longo do tempo) em vez de permanecerem estáveis, ou são completamente irregulares," disse o físico solar Karel Schrijver do Centro de Tecnologia Avançada da Lockheed Martin em Palo Alto, Califórnia, EUA. "Na realidade não sabemos porquê."

A futura sonda da NASA, Observatório Dinâmico Solar, poderá ajudar a responder a algumas destas questões sobre o Sol e sendo assim, também sobre os seus parentes estelares, disse Schrijver.

Links:

Sol:
Wikipedia
Núcleo de Astronomia do Centro Ciência Viva do Algarve

Vídeos sobre o Sol no YouTube:
O Sol a 19.5 nm
Imagens da atmosfera solar, pelo Hinode

 
O Sol, visto pelos olhos da SOHO.
Crédito: SOHO-EIT
 
Top Thingy Right