Top thingy left
 
MISSÃO CHANG'E 4 DESCOBRE NOVOS "SEGREDOS" DO LADO OCULTO DA LUA
21 de maio de 2019

 


Imagem capturada pelo Chang'E 4 que mostra a paisagem perto do local de alunagem.
Crédito: NAOC/CNSA

 

Um veículo lunar com o nome da deusa chinesa da Lua pode ter encolhido o mistério do lado oculto do nosso satélite natural. A quarta missão Chang'E (CE-4) foi a primeira a aterrar no outro lado da Lua e recolheu novas evidências da maior cratera do Sistema Solar, esclarecendo como a Lua pode ter evoluído.

Os resultados foram publicados na revista Nature no dia 16 de maio.

Na década de 1970 surgiu a teoria que, na infância da Lua, um oceano feito de magma cobria a sua superfície. Quando o oceano começou a acalmar e a arrefecer, os minerais mais leves flutuaram até ao topo, enquanto os componentes mais pesados afundaram. Foi formada uma crosta, uma camada de basalto, envolvendo um manto de minerais densos como olivina e piroxena.

À medida que os asteroides e detritos espaciais colidiam com a superfície da Lua, quebravam a crosta e levantavam pedaços do manto lunar.

"Compreender a composição do manto lunar é fundamental para testar se um oceano de magma de facto existiu como postulado," disse o autor LI Chunlai, professor dos Observatórios Astronómicos Nacionais da Academia Chinesa de Ciências. "Também ajuda a avançar a nossa compreensão da evolução térmica e magmática da Lua."

Segundo LI, a evolução da Lua pode fornecer uma janela para a evolução da Terra e de outros planetas terrestres, porque a sua superfície está relativamente intocada em comparação com, digamos, a superfície inicial da Terra.

LI e a sua equipa pousaram o CE-4 na Bacia do Polo Sul-Aitken da Lua, que se estende por cerca de 2500 quilómetros - cerca de metade da largura da China. O CE-4 recolheu dados espectrais das regiões mais lisas da bacia, bem como de outras crateras de impacto mais pequenas, porém menos profundas, dentro da região.

Os investigadores esperavam encontrar uma grande quantidade de material escavado do manto no chão liso da bacia, uma vez que o impacto teria penetrado e passado a crosta lunar. Ao invés, encontraram apenas vestígios de olivina, o principal componente do manto superior da Terra.

"A ausência de olivina em abundância no interior da Bacia do Polo Sul-Aitken continua a ser um enigma," disse LI. "Será que as previsões de um manto lunar rico em olivina estão incorretas?"

Não é bem assim. Ao que parece, a olivina apareceu em maior quantidade nas amostras de impactos mais profundos. Uma teoria, diz LI, é que o manto consiste de olivina e piroxena em partes iguais, em vez de dominado por um sobre o outro.

O CE-4 precisará explorar mais para melhor entender a geologia do seu local de alunagem, bem como recolher muitos mais dados espectrais a fim de validar as suas descobertas iniciais e entender completamente a composição do manto lunar.

 


comments powered by Disqus

 


Imagem capturada pelo Chang'E 4 que mostra a paisagem perto do local de alunagem.
Crédito: NAOC/CNSA


// Academia Chinesa de Ciências (comunicado de imprensa)
// Artigo científico (Nature)

Saiba mais

Notícias relacionadas:
04/01/2019 - China é a primeira nação a pousar no lado oculto da Lua

Notícias relacionadas:
Nature
Astronomy
SPACE.com
EurekAlert!
COSMOS
New Scientist
PHYSORG
Discover
science alert
Futurism
National Geographic
engadget
ars technica
BBC News
Diário de Notícias
SIC Notícias
TSF
Visão
ZAP.aeiou

Chang'e 4:
Wikipedia

Lua:
CCVAlg - Astronomia
Wikipedia 
Lado oculto da Lua (Wikipedia) 
Bacia do Polo Sul-Aitken (Wikipedia)

Olivina:
Wikipedia

Piroxena:
Wikipedia

 
Top Thingy Right