Top thingy left
 
LANDER INSIGHT "OUVE" VENTOS MARCIANOS
11 de dezembro de 2018

 


Um dos painéis solares de 2,2 metros do InSight, fotografado pela IDC (Instrument Deployment Camera) do módulo, acoplada ao ombro do braço robótico.
Crédito: NASA/JPL-Caltech
(clique na imagem para ver versão maior)

 

O "lander" InSight (Interior Exploration using Seismic Investigations, Geodesy and Heat Transport) da NASA, que pousou em Marte há alguns dias, forneceu os primeiros "sons" de ventos marcianos no Planeta Vermelho.

Os sensores do Insight capturaram um ruído baixo assombroso provocado por vibrações do vento, que sopra a uns estimados 5-7 metros por segundo, no passado dia 1 de dezembro, na direção noroeste-sudeste. Os ventos eram consistentes com a direção das estrias dos "diabos de poeira" na área de aterragem, que foram observados a partir de órbita.

"O registo de áudio foi uma surpresa não planeada," comenta Bruce Banerdt, investigador principal da missão InSight no JPL da NASA em Pasadena, no estado norte-americano da Califórnia. "Mas um dos objetivos da nossa missão é medir o movimento em Marte e, naturalmente, isso inclui o movimento provocado por ondas sonoras."

Dois sensores muitos sensíveis no módulo de aterragem detetaram estas vibrações do vento: um sensor de pressão de ar no interior e um sismómetro situado no convés, aguardando a implantação no solo pelo braço robótico do InSight. Os dois instrumentos registaram o ruído do vento de diferentes maneiras. O sensor de pressão de ar, parte do instrumento APSS (Auxiliary Payload Sensor Subsystem), que irá recolher dados meteorológicos, registou estas vibrações diretamente. O sismómetro registou as vibrações do "lander" provocadas pelo vento que se movia sobre os painéis solares, que têm 2,2 metros em diâmetro e se destacam dos lados do módulo como um par de orelhas gigantes.

Esta é a única fase da missão durante a qual o sismómetro, de nome SEIS (Seismic Experiment for Interior Structure), será capaz de detetar vibrações geradas diretamente pelo módulo. Daqui a algumas semanas, será colocado à superfície marciana pelo braço robótico e depois coberto por um escudo abobadado a fim de protegê-lo das mudanças de vento e de temperatura. Ainda detetará o movimento do "lander", embora canalizado através da superfície marciana. Por enquanto, está a gravar dados vibracionais que os cientistas vão mais tarde usar para cancelar o ruído do InSight quando o SEIS estiver à superfície, permitindo que detete sismos marcianos mais eficazmente.

Quando os sismos ocorrem na Terra, as suas vibrações, que ressaltam no interior do planeta, fazem com que "toque" de forma parecida a como um sino produz som. O InSight vai verificar se os tremores de terra, ou sismos marcianos, têm um efeito similar em Marte. O conjunto de instrumentos SEIS vai detetar estas vibrações que nos informarão sobre o interior profundo do Planeta Vermelho. Os cientistas esperam que isso leve a novas informações sobre a formação dos planetas no nosso Sistema Solar, talvez até do nosso próprio planeta.

A suite SEIS, fornecida pela Agência Espacial Francesa CNES, inclui dois sismómetros. Estes serão usados assim que for colocada à superfície de Marte. Mas o conjunto de instrumentos SEIS também inclui sensores de silício de curto período desenvolvidos no Imperial College London com componentes eletrónicos da Universidade de Oxford. Estes sensores podem trabalhar no convés do módulo de aterragem e são capazes de detetar vibrações de quase 50 hertz, na gama mais baixa da audição humana.

"O 'lander' InSight é como se fosse um ouvido gigante," comenta Tom Pike, membro da equipa científica do InSight e designer de sensores no Imperial College London. "Os painéis solares nos lados do módulo respondem a flutuações de pressão do vento. É como se o InSight colocasse as mãos nas orelhas para melhor escutar o som do vento. Quando olhamos para a direção das vibrações vindas dos painéis solares, esta coincide com a direção esperada do vento no nosso local de aterragem."

Pike comparou o efeito a uma bandeira ao vento. À medida que a bandeira quebra o vento, cria oscilações na pressão do ar que o ouvido humano entende como batendo ao vento. Separadamente, o APSS regista mudanças na pressão diretamente a partir do ar marciano.

"É literalmente a definição de som - mudanças na pressão do ar," comenta Don Banfield, líder científico do APSS do InSight na Universidade de Cornell em Ithaca, Nova Iorque. "É o que ouvimos sempre que alguém fala do outro lado da sala."

Ao contrário das vibrações registadas pelos sensores de curto período, o áudio do APSS tem cerca de 10 hz, abaixo da faixa de audição humana.

A amostra de áudio do sismómetro foi divulgada sem alterações; uma segunda versão foi erguida duas oitavas para ser mais percetível ao ouvido humano - especialmente quando ouvida através de colunas de um portátil ou telemóvel. A segunda amostra de áudio do APSS foi acelerada por um fator de 100, o que mudou também a sua frequência.

Ainda está por vir um som mais detalhado de Marte. Daqui a apenas um par de anos, o rover Mars 2020 da NASA aterrará com dois microfones a bordo. O primeiro, fornecido pelo JPL, vai especificamente registar, pela primeira vez, o som de uma aterragem marciana. O segundo faz parte da SuperCam e será capaz de detetar o som do laser do instrumento enquanto é disparado para materiais diferentes. Isto ajudará a identificar esses materiais com base na mudança na frequência do som.

 


comments powered by Disqus

 


Imagem anotada da superfície de Marte, obtida pela câmara HiRISE a bordo da sonda MRO (Mars Reconnaissance Orbiter) da NASA no dia 30 de maio de 2014. O contraste foi melhorado na imagem para melhor mostrar a região onde o InSight aterrou no dia 26 de novembro de 2018. A legenda mostra a posição aproximada do "lander" em Elysium Planitia. Por cima estão as direções das vibrações detetadas pelos instrumentos científicos do InSight. As linhas diagonais, que podem ser discernidas como movendo-se do canto superior esquerdo para o canto inferior direito da imagem, mostram os percursos dos diabos de poeira à superfície marciana. As vibrações registadas pelo InSight estão alinhadas com a direção do movimento dos diabos de poeira.
Crédito: NASA/JPL-Caltech/Universidade do Arizona/Imperial College London
(clique na imagem para ver versão maior)


Links:

Cobertura da missão InSight pelo Núcleo de Astronomia do CCVAlg:
27/11/2018 - "Lander" InSight aterra em Marte
23/11/2018 - InSight aterra em Marte no dia 26
20/11/2018 - Local de aterragem do InSight é perfeitamente "chato"
08/05/2018 - InSight a caminho de Marte
03/04/2018 - NASA pronta para estudar o coração de Marte
03/04/2018 - Sismos marcianos podem revolucionar ciência planetária
21/08/2012 - Nova missão da NASA vai estudar directamente e pela primeira vez o interior de Marte

Notícias relacionadas:
NASA (comunicado de imprensa)
Sons "raw" do sismómetro do InSight em Marte (JPL via YouTube - auscultadores recomendados)
Mais sons audíveis do sismómetro do InSight em Marte (JPL via YouTube)
Sons do sensor de pressão do InSight em Marte (JPL via YouTube)
SPACE.com
ScienceDaily
PHYSORG
Popular Science
Forbes
engadget
METRO
CNN
BBC News

InSight:
NASA
NASA - 2
Wikipedia

Elysium Planitia:
Wikipedia

Marte:
Núcleo de Astronomia do CCVAlg
Wikipedia

 
Top Thingy Right