Top thingy left
 
ROVER PERSEVERANCE DA NASA MOVE-SE PELA PRIMEIRA VEZ
9 de março de 2021

 


Esta imagem foi obtida enquanto o rover Perseverance da NASA passeava em Marte pela primeira vez no dia 4 de março de 2021. Uma das Hazcams (Hazard Avoidance Cameras) do Perseverance capturou esta imagem enquanto o rover completava uma curta travessia e curva a partir do seu local de aterragem na Cratera Jezero.
Crédito: NASA/JPL-Caltech

 

O rover Perseverance da NASA realizou a sua primeira viagem em Marte no passado dia 4 de março, percorrendo 6,5 metros na paisagem marciana. O passeio serviu como um teste de mobilidade que marca apenas um de muitos marcos à medida que os membros da equipa verificam e calibram cada sistema, subsistema e instrumento no Perseverance. Assim que o rover começar a perseguir os seus objetivos científicos, são esperadas deslocações regulares de 200 metros ou mais.

"Quando se trata de veículos com rodas noutros planetas, há poucos eventos inéditos que se comparam à importância da primeira viagem," disse Anais Zarifian, engenheira de mobilidade do rover Perseverance no JPL da NASA no sul da Califórnia. "Esta foi a nossa primeira oportunidade de 'chutar os pneus' e de dar uma volta com o Perseverance. A tração nas seis rodas do veículo marciano teve uma excelente resposta. Estamos agora confiantes de que o nosso sistema de condução está pronto para funcionar, capaz de nos levar aonde quer que a ciência nos leve nos próximos dois anos."

A viagem, que durou cerca de 33 minutos, impulsionou o rover para a frente cerca de 4 metros, onde então girou 150 graus para a esquerda e recuou 2,5 metros para o seu novo estacionamento temporário. Para ajudar a entender melhor a dinâmica de um retrofoguete a pousar no Planeta Vermelho, os engenheiros usaram as câmaras de navegação e de prevenção de perigos do Perseverance para obter imagens do local onde o Perseverance pousou, dispersando poeira marciana com plumas dos seus motores.

Mais do que uma condução

O sistema de mobilidade do rover não é a única coisa que pode ser testada durante este período de verificações iniciais. No dia 26 de fevereiro - o oitavo dia marciano do Perseverance, ou sol, desde a aterragem - os controladores da missão concluíram uma atualização de software, substituindo o programa de computador que ajudou ao pouso do Perseverance por outro que irão usar para investigar o planeta.

Mais recentemente, os controladores verificaram os instrumentos RIMFAX (Radar Imager for Mars’ Subsurface Experiment) e MOXIE (Mars Oxygen In-Situ Resource Utilization Experiment) do Perseverance, e ligaram os dois sensores de vento do MEDA (Mars Environmental Dynamics Analyzer), que se estendem para fora do mastro do rover. Outro marco significativo ocorreu no dia 2 de março, ou sol 12, quando os engenheiros esticaram pela primeira vez o braço robótico de 2 metros do rover, flexionando cada uma das suas cinco juntas durante duas horas.

"O primeiro teste do braço robótico de terça-feira foi um grande momento para nós," disse Robert Hogg, gerente adjunto da missão Mars 2020 do Perseverance. "Esta é a principal ferramenta que a equipa científica vai usar para fazer análises detalhadas das características geológicas da Cratera Jezero, e depois perfurações e recolhas de amostras daquelas que acharem mais interessantes. Quando obtivemos a confirmação do braço robótico a 'mover os seus músculos', incluindo imagens do seu perfeito funcionamento após a sua longa viagem até Marte - bem, ganhei o dia."

Os próximos eventos e avaliações incluem testes e calibrações mais detalhadas dos instrumentos científicos, enviando o rover em passeios mais longos e a expulsão das coberturas que protegem o conjunto de cache adaptativa (parte do sistema de recolha de amostras do rover) e o helicóptero Ingenuity durante o pouso. O programa de teste de voo experimental do Ingenuity também terá lugar durante o comissionamento do rover.

E durante estas etapas o rover estará a enviar imagens obtidas pelo conjunto mais avançado de câmaras já enviadas para Marte. As câmaras da missão já enviaram cerca de 7000 imagens. Na Terra, as imagens pelo Perseverance são recebidas pela poderosa DSN (Deep Space Network), gerida pelo programa SCaN (Space Communications and Navigation) da NASA. No espaço, vários orbitadores marcianos desempenham um papel igualmente importante.

"O suporte orbital para a transmissão de dados tem sido deveras fundamental," disse Justin Maki, engenheiro-chefe de imagem e cientista de imagem da missão Mars 2020 do rover Perseverance no JPL. "Quando vir uma bela imagem da Cratera Jezero, considere que foi necessária uma equipa inteira de 'marcianos' para cá chegar. Todas as imagens do Perseverance são retransmitidas pelos orbitadores TGO (Trace Gas Orbiter) da ESA, MAVEN, Mars Odyssey ou MRO (Mars Reconnaissance Orbiter) da NASA. São parceiros importantes nas nossas explorações e descobertas."

O grande volume de imagens e dados transmitidos pela missão tem sido uma recompensa bem-vinda para Matt Wallace, que se lembra de ter esperado ansiosamente pelas primeiras imagens, às "pingas", do primeiro rover marciano da NASA, o Sojourner, que explorou Marte em 1997. No dia 3 de março, Wallace tornou-se o novo gerente de projeto da missão. Substituiu John McNamee, que está a deixar o cargo como pretendia, após dirigir o projeto durante quase uma década.

"John forneceu apoio inabalável, a mim e a todos os membros do projeto durante mais de uma década," disse Wallace. "Ele deixou a sua marca nesta missão e nesta equipa, e foi um privilégio não apenas chamá-lo de chefe, mas também de meu amigo."

O nome do local de aterragem

Com o Perseverance agora prestes a sair do local onde pousou, os cientistas da equipa da missão comemoraram o local, batizando-o informalmente em homenagem à falecida autora de ficção científica Octavia E. Butler. A inovadora autora e nativa de Pasadena, Califórnia, foi a primeira mulher afro-americana a ganhar os prémios Hugo e Nebula, e foi a primeira escritora de ficção científica homenageada com uma bolsa MacArthur. O local onde o Perseverance começou a sua missão em Marte tem agora o nome "Octavia E. Butler Landing".

Os nomes científicos oficiais para lugares e objetos por todo o Sistema Solar - incluindo asteroides, cometas e locais em planetas - são designados pela União Astronómica Internacional. Os cientistas que trabalham com os rovers marcianos da NASA têm tradicionalmente dado alcunhas não oficiais a várias características geológicas, que podem ser usadas como referências em artigos científicos.

"Os protagonistas de Butler incorporam a determinação e inventividade, tornando-a perfeita para a missão do rover Perseverance e para o seu tema de superar desafios," disse Kathryn Stack Morgan, cientista ajunta do projeto Perseverance. "Butler inspirou e influenciou a comunidade científica planetária e muitas outras, incluindo aquelas normalmente sub-representadas nos campos STEM (sigla do inglês "Science, Technology, Engineering, and Mathematics").

"Não consigo pensar noutra pessoa para marcar este local de pouso histórico do que Octavia E. Butler, que não apenas cresceu perto do JPL em Pasadena, mas também inspirou milhões com as suas visões de um futuro baseado na ciência," disse Thomas Zurbuchen, administrador associado da NASA para a ciência. "O seu princípio orientador, 'Ao usar a ciência, faça-o com precisão,' é o objetivo da equipa científica da NASA. O seu trabalho continua a inspirar os cientistas e engenheiros de hoje em todo o mundo - tudo em nome de um futuro mais ousado e mais justo para todos."

Butler, que faleceu em 2006, escreveu obras notáveis como "Kindred," "Bloodchild," "Speech Sounds," "Parable of the Sower," "Parable of the Talents," e a série "Patternist”. A sua escrita explora temas de raça, género, igualdade e humanidade, e as suas obras são tão relevantes hoje quanto eram quando originalmente escritas e publicadas.

Mais sobre a missão

Um objetivo principal da missão do Perseverance em Marte é a investigação astrobiológica, incluindo a busca por sinais de vida microbiana antiga. O rover vai caracterizar a geologia do planeta e o clima passado e será a primeira missão a recolher e a armazenar rochas e rególito marciano, abrindo caminho para a exploração humana do Planeta Vermelho.

As missões subsequentes da NASA, em cooperação com a ESA, vão enviar naves a Marte para recolher estas amostras armazenadas à superfície e trazê-las para a Terra para uma análise mais profunda.

A missão Mars 2020 do rover Perseverance faz parte da abordagem da exploração Lua a Marte da NASA, que inclui as missões Artemis à Lua que vão ajudar a preparar a exploração humana do Planeta Vermelho.

 


comments powered by Disqus

 


O local de aterragem do rover Perseverance dentro da Cratera Jezero, agora batizado não oficialmente de "Octavia E. Butler Landing".
Crédito: NASA/JPL-Caltech/Universidade do Arizona


// NASA (comunicado de imprensa)

Saiba mais

Cobertura da missão do rover Perseverance pelo CCVAlg - Astronomia:
26/02/2021 - À procura de vida nas amostras do rover Perseverance
19/02/2021 - Rover Perseverance da NASA pousa em segurança no Planeta Vermelho
09/02/2021 - Rover Perseverance a poucos dias de pousar em Marte
10/11/2020 - Estudo mostra a dificuldade em encontrar evidências de vida em Marte
31/07/2020 - Missão do rover Perseverance a caminho do Planeta Vermelho
30/06/2020 - Aproxima-se o lançamento do rover Perseverance
29/05/2020 - O detetive a bordo do rover Perseverance
19/11/2019 - Rover Mars 2020 vai procurar fósseis microscópicos
15/02/2019 - Sonda MAVEN vai diminuir a sua órbita em preparação para o rover 2020 da NASA
15/05/2018 - NASA planeia levar um helicóptero até Marte
29/05/2018 - Rochas marcianas podem conter sinais de vida

Marte:
CCVAlg - Astronomia
Wikipedia

Cratera Jezero:
Wikipedia

Rover Perseverance:
NASA
NASA - 2
Facebook
Twitter
Wikipedia

Octavia E. Butler:
Página oficial
Wikipedia

 
Top Thingy Right