Top thingy left
 
DESCOBERTAS VARIAÇÕES INESPERADAS NAS MANCHAS BRILHANTES DE CERES
18 de março de 2016

 


Esta impressão artística baseia-se num mapa detalhado da superfície compilado a partir de imagens obtidas pela sonda Dawn da NASA, em órbita do planeta anão Ceres. O vídeo mostra as manchas de material muito brilhante situadas na cratera de Occator e noutros lados. Novas observações obtidas com o espectrógrafo HARPS, montado no telescópio de 3,6 metros do ESO, em La Silla, no Chile, revelaram variações diárias inesperadas nestas estruturas, sugerindo que variam sob a influência da luz solar à medida que Ceres roda.
Crédito: ESO/L.Calçada/NASA/JPL-Caltech/UCLA/MPS/DLR/IDA/Steve Albers/N. Risinger (skysurvey.org)
(clique na imagem para ver versão maior)

 

Observações obtidas com o espectrógrafo HARPS no Observatório de La Silla do ESO, no Chile, revelaram variações inesperadas nas manchas brilhantes do planeta anão Ceres. Embora Ceres pareça pouco mais que um ponto de luz quando visto a partir da Terra, estudos detalhados da sua radiação mostram não apenas as variações esperadas nas manchas devido à rotação de Ceres, mas também que estas estruturas se tornam mais luminosas durante o dia, entre outras variações. Estas observações sugerem que o material destas manchas é volátil e evapora-se com o calor da luz solar.

Ceres é o maior corpo da cintura de asteroides situada entre Marte e Júpiter e o único objeto deste tipo classificado como planeta anão. A sonda Dawn da NASA está em órbita de Ceres há mais de um ano e mapeou a sua superfície com grande detalhe. Uma das maiores surpresas foi a descoberta de manchas muito brilhantes, que refletem muito mais radiação do que o seu meio envolvente muito mais escuro. A mais proeminente destas manchas situa-se no interior da cratera Occator e sugere que Ceres pode ser um mundo muito mais ativo do que a maioria dos seus vizinhos asteroides.

Novas observações muito precisas obtidas com o espectrógrafo HARPS, montado no telescópio de 3,6 metros do ESO, em La Silla, no Chile, detetaram não apenas o movimento destas manchas devido à rotação de Ceres em torno do seu eixo, mas também descobriram variações adicionais inesperadas que sugerem que o material das manchas é volátil e evapora-se com a luz do Sol.

O autor principal deste novo estudo, Paolo Molaro do INAF - Observatório Astronómico de Trieste, explica: "Assim que a sonda Dawn revelou a presença de misteriosas manchas brilhantes na superfície de Ceres, pensei imediatamente nos possíveis efeitos que podiam ser medidos a partir da Terra. À medida que Ceres roda, as manchas aproximam-se da Terra e depois afastam-se outra vez, o que afeta o espectro da radiação solar refletida que chega à Terra."

Ceres faz uma rotação em torno de si mesmo a cada 9 horas e os cálculos mostram que o efeito devido ao movimento das manchas, quando estas se aproximam e afastam da Terra, causado por esta rotação é muito baixo, da ordem dos 20 km por hora. No entanto, este movimento é suficientemente elevado para poder ser medido por efeito Doppler com instrumentos de alta precisão como o HARPS.

A equipa observou Ceres com o HARPS durante pouco mais de duas noites em julho e agosto de 2015. "O resultado foi surpreendente," acrescenta Antonino Lanza, do INAF - Observatório Astrofísico de Catania e coautor do estudo. "Encontrámos efetivamente as variações no espectro que esperávamos devido à rotação de Ceres, mas mais do que isso, encontrámos também outras variações consideráveis de noite para noite."

A equipa concluiu que as variações observadas podem ser devidas à presença de substâncias voláteis que se evaporam sob a ação da radiação solar. Quando as manchas no interior da cratera Occator estão no lado iluminado pelo Sol, formam plumas que refletem a radiação solar de modo muito eficaz. Estas plumas evaporam-se depois rapidamente, perdem refletividade e produzem as variações observadas. Este efeito, no entanto, varia de noite para noite, dando origem a padrões aleatórios adicionais, tanto para escalas de tempo curtas como para escalas de tempo mais longas.

Se esta interpretação se confirmar, Ceres parece ser muito diferente de Vesta e de outros asteroides principais da cintura de asteroides. Apesar de estar relativamente isolado, o objeto parece ser internamente ativo. Sabe-se que Ceres é rico em água, mas não é claro se este facto está relacionado com as manchas brilhantes. A fonte de energia que origina esta perda contínua de material da superfície também é desconhecida.

A sonda Dawn continua a estudar Ceres e o comportamento das suas misteriosas manchas. Observações feitas a partir do solo com o HARPS e outros instrumentos poderão continuar mesmo após o final da missão espacial.


comments powered by Disqus

 


Esta imagem, que foi obtida pela sonda Dawn da NASA, em órbita do planeta anão Ceres, mostra as manchas de material muito brilhante situadas na cratera de Occator e noutros lados. Novas observações obtidas com o espectrógrafo HARPS, montado no telescópio de 3,6 metros do ESO, em La Silla, no Chile, revelaram variações diárias inesperadas nestas estruturas, sugerindo que variam sob a influência da luz solar.
Crédito: NASA/JPL-Caltech/UCLA/MPS/DLR/IDA
(clique na imagem para ver versão maior)


Links:

Cobertura da missão Dawn pelo Núcleo de Astronomia do CCVAlg:
25/12/2015 - Ceres: imagens a partir da órbita mais baixa da Dawn
11/12/2015 - Novas pistas sobre as manchas brilhantes de Ceres e suas origens
16/10/2015 - O que colide com Ceres, fica em Ceres
02/10/2015 - Equipa da Dawn partilha novos mapas e informações sobre Ceres
11/09/2015 - Manchas de Ceres em mais detalhe
23/06/2015 - Manchas de Ceres continuam a mistificar
28/04/2015 - Pontos brilhantes de Ceres novamente visíveis
10/03/2015 - Dawn é a primeira sonda a orbitar um planeta anão
03/03/2015 - Dawn aproxima-se de encontro histórico com planeta anão
27/02/2015 - "Mancha brilhante" em Ceres tem companheira mais ténue
30/01/2015 - Dawn captura imagens de Ceres com resolução superior à do Hubble
02/01/2015 - Sonda Dawn começa aproximação ao planeta anão Ceres
09/12/2014 - Dawn captura a sua melhor imagem, até agora, de Ceres 
03/09/2013 - Ceres - um dos factores de mudança no prisma do Sistema Solar
04/09/2012 - Dawn prepara-se para sair de Vesta e rumar até Ceres
11/05/2012 - Missão Dawn revela segredos de asteróide gigante 
13/12/2011 - Será Vesta o "planeta terrestre mais pequeno"?
19/07/2011 - Sonda Dawn envia imagens a partir de órbita de Vesta
15/07/2011 - Sonda Dawn entra em órbita de asteróide dia 15 de Julho
28/06/2011 - Dawn aproxima-se de estadia de um ano em asteróide gigante 
12/09/2007 - Dawn a um passo de viagem até cintura de asteróides

Notícias relacionadas:
ESO (comunicado de imprensa)
Artigo científico
Astronomy
Astronomy Now
SPACE.com
EarthSky
PHYSORG
(e) Science News
Scientific American
Discovery News
UPI
gizmodo

Ceres:
Wikipedia

Observatório La Silla:
ESO
Wikipedia

Sonda Dawn:
Página oficial
NASA
Wikipedia

ESO:
Página oficial
Wikipedia

 
Top Thingy Right