Top thingy left
 
OSIRIS-REX DA NASA FORNECE INFORMAÇÕES SOBRE A ÓRBITA FUTURA DO ASTEROIDE BENNU
13 de agosto de 2021

 


Este mosaico de Bennu foi criado usando observações feitas com a sonda OSIRIS-REx da NASA quando estava em íntima proximidade com o asteroide durante dois anos.
Crédito: NASA/Goddard/Universidade do Arizona

 

Num estudo divulgado na quarta-feira, investigadores da NASA usaram dados altamente precisos de rastreamento da sonda OSIRIS-REx (Origins, Spectral Interpretation, Resource Identification, Security-Regolith Explorer) para melhor compreender os movimentos do asteroide potencialmente perigoso, Bennu, até ao ano 2300, reduzindo significativamente as incertezas relacionadas à sua órbita futura e melhorando a capacidade dos cientistas em determinar a probabilidade total de impacto e em prever as órbitas de outros asteroides. O estudo foi publicado na revista Icarus.

"A missão de defesa planetária da NASA é a de encontrar e monitorizar asteroides e cometas que podem aproximar-se da Terra, representando assim um perigo para o nosso planeta," disse Kelly Fast, gerente do programa NEOO (Near-Earth Object Observations) na sede da NASA em Washington. "Realizamos este esforço por meio de levantamentos astronómicos contínuos que recolhem dados para descobrir objetos até então desconhecidos e refinando os nossos modelos orbitais. A missão OSIRIS-REx forneceu uma oportunidade extraordinária para refinar e testar estes modelos, ajudando-nos a prever melhor onde Bennu estará quando fizer a sua aproximação à Terra daqui a mais de um século."

Em 2135, o asteroide Bennu passará perto da Terra. Embora o objeto não represente um perigo para o nosso planeta nessa altura, os cientistas têm que entender a trajetória exata de Bennu durante esse encontro, a fim de prever como a gravidade da Terra vai alterar o percurso do asteroide em torno do Sol - e como afetará o risco de impacto na Terra.

Usando a DSN (Deep Space Network) da NASA e modelos de computador de última geração, os cientistas foram capazes de reduzir significativamente as incertezas na órbita de Bennu, determinando que a sua probabilidade de impacto total até ao ano 2300 é de cerca de 1 em 1750 (ou 0,057%). Os investigadores também foram capazes de identificar 24 de setembro de 2182 como a data mais significativa em termos de potencial impacto, com uma probabilidade de impacto de 1 em 2700 (ou cerca de 0,037%).

Embora as chances de atingir a Terra sejam muito baixas, Bennu permanece um dos dois asteroides conhecidos mais perigosos no nosso Sistema Solar, juntamente com outro asteroide chamado 1950 DA.

Antes de deixar Bennu no dia 10 de maio de 2021, a OSIRIS-REx passou mais de dois anos em órbita do asteroide, recolhendo informações sobre o seu tamanho (tem cerca de 500 metros de largura), forma, massa e composição, enquanto monitorizava a sua rotação e trajetória orbital. A nave espacial também recolheu uma amostra de rocha e poeira da superfície do asteroide, que será entregue à Terra no dia 24 de setembro de 2023 para futuras investigações científicas.

"Os dados da OSIRIS-REx dão-nos informações muito mais precisas, podemos testar os limites dos nossos modelos e calcular a trajetória futura de Bennu com um alto grau de certeza até 2135," disse o autor do estudo Davide Farnocchia do CNEOS (Center for Near Earth Object Studies), que é gerido pelo JPL da NASA no sul do estado norte-americano da Califórnia. "Nunca tínhamos antes modelado a trajetória de um asteroide com esta precisão."

 

"Buracos de fechadura" gravitacionais

As medições de precisão de Bennu ajudam a determinar melhor como a órbita do asteroide irá evoluir ao longo do tempo e se passará por um "buraco de fechadura" gravitacional durante a sua aproximação de 2135. Estes "buracos de fechadura" são áreas no espaço que colocariam Bennu num percurso para um impacto futuro com a Terra caso o asteroide passasse por eles em determinados momentos, devido ao efeito da atração gravitacional da Terra.

Para calcular exatamente onde o asteroide estará durante a sua passagem de 2135 - e se pode passar por um "buraco de fechadura" gravitacional - Farnocchia e a sua equipa avaliaram vários tipos de pequenas forças que podem afetar o asteroide enquanto orbita o Sol. Até a força mais pequena pode desviar significativamente o seu percurso orbital ao longo do tempo, fazendo com que acerte ou falhe completamente num "buraco de fechadura".

Entre essas forças, o calor do Sol desempenha um papel crucial. À medida que um asteroide viaja em torno do Sol, a luz solar aquece o seu lado diurno. Tendo em conta que o asteroide gira, a superfície aquecida irá girar e arrefecer ao entrar no lado noturno. Enquanto arrefece, a superfície liberta energia infravermelha, que gera uma pequena quantidade de impulso no asteroide - um fenómeno chamado efeito de Yarkovsky. A curto prazo, este impulso é minúsculo, mas a longo prazo, o efeito na posição do asteroide aumenta e pode desempenhar um papel significativo na mudança da órbita do asteroide.

"O efeito Yarkovsky atuará em todos os asteroides de todos os tamanhos e, embora tenha sido medido remotamente para uma pequena fração da população de asteroides, a OSIRIS-REx deu-nos a primeira oportunidade de o medir em detalhe enquanto Bennu viajava ao redor do Sol," disse Steve Chesley, investigador sénior do JPL e coinvestigador do estudo. "O efeito em Bennu é equivalente ao peso de duas uvas agindo constantemente sobre o asteroide - minúsculo, sim, mas significativo na determinação das chances de impacto futuro de Bennu nas décadas e séculos vindouros."

A equipa também considerou muitas outras forças perturbadoras, incluindo a gravidade do Sol, dos planetas, das suas luas, e de mais de 300 outros asteroides, o arrasto provocado pela poeira interplanetária, a pressão do vento solar e os eventos de ejeção de partículas de Bennu. Os investigadores até avaliaram a força que a OSIRIS-REx exerceu ao realizar o seu evento de recolha de amostras TAG (Touch-And-Go) no dia 20 de outubro de 2020, para ver se podia ter alterado ligeiramente a órbita de Bennu, em última análise confirmando as estimativas anteriores de que o evento TAG teve um efeito insignificante.

"A força exercida na superfície de Bennu durante o evento TAG foi minúsculo, mesmo em comparação com os efeitos de outras pequenas forças," disse Rich Burns, gestor do projeto OSIRIS-REx no Centro de Voo Espacial Goddard da NASA em Greenbelt, no estado norte-americano de Maryland. "A manobra TAG não alterou a probabilidade de Bennu colidir com a Terra."

Pequeno risco, grande ganho

Embora uma probabilidade de impacto de 0,057% até ao ano 2300 e uma probabilidade impacto de 0,037% no dia 24 de setembro de 2182 sejam baixas, este estudo destaca o papel crucial que as operações da OSIRIS-REx desempenharam na caracterização precisa da órbita de Bennu.

"Os dados orbitais desta missão ajudaram-nos a avaliar melhor as chances de impacto de Bennu nos próximos dois séculos e a nossa compreensão geral de asteroides potencialmente perigosos - um resultado incrível," disse Dante Lauretta, investigador principal da OSIRIS-REx e professor na Universidade do Arizona. "A espaçonave está agora a voltar para casa, transportando uma amostra preciosa deste objeto antigo e fascinante que nos ajudará a melhor entender não apenas a história do Sistema Solar, mas também o papel da luz solar na alteração da órbita de Bennu, uma vez que vamos medir as propriedades térmicas do asteroide a escalas sem precedentes em laboratórios cá na Terra."

 

 


comments powered by Disqus

 

// NASA (comunicado de imprensa)
// Universidade do Arizona (comunicado de imprensa)
// Artigo científico (Icarus)

Saiba mais

Cobertura da missão OSIRIS-REx pelo CCVAlg - Astronomia:
14/05/2021 - OSIRIS-REx despede-se de Bennu
20/04/2021 - OSIRIS-REx deixa a sua marca no asteroide Bennu
27/10/2020 - OSIRIS-REx recolhe quantidade significativa de material do asteroide Bennu
23/10/2020 - OSIRIS-REx toca com sucesso no seu asteroide
20/10/2020 - Dez curiosidades sobre Bennu
13/10/2020 - OSIRIS-REx desvenda mais segredos do asteroide Bennu
29/09/2020 - OSIRIS-REx da NASA começa contagem decrescente para evento TAG
25/09/2020 - Asteroide Bennu tem pedaços de Vesta à sua superfície
11/09/2020 - Porque é que o asteroide Bennu está a expelir partículas para o espaço?
27/03/2020 - Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a OSIRIS-REx da NASA
10/03/2020 - Primeiros nomes oficiais dados a características da superfície de Bennu
17/12/2019 - "X" marca o local: NASA seleciona zona para recolha de amostras em Bennu
10/12/2019 - Missão OSIRIS-REx explica misteriosos eventos de partículas de Bennu
10/12/2019 - OSIRIS-REx prestes a selecionar local de recolha de amostras
16/08/2019 - Selecionados os quatro candidatos finais a local de recolha de amostras de Bennu
28/05/2019 - NASA convida público a ajudar a escolher o local de recolha de amostras da OSIRIS-REx
22/03/2019 - OSIRIS-REx revela grandes surpresas em Bennu
15/03/2019 - Bennu, o alvo da missão OSIRIS-REx, gira mais depressa ao longo do tempo
14/12/2018 - Recém-chegada OSIRIS-REx já descobriu água no asteroide Bennu
28/08/2018 - OSIRIS-REx da NASA começa campanha de observações do asteroide
27/12/2016 - OSIRIS-REx vai procurar asteroides raros
06/09/2016 - NASA prepara-se para lançar a sua primeira missão de recolha e envio de amostras de um asteroide

Notícias relacionadas:
Science
Sky & Telescope
SPACE.com
PHYSORG
National Geographic
UPI
CNN
Gizmodo

Asteroide Bennu:
NASA
NASA - 2 
Wikipedia

Efeito Yarkovsky–O'Keefe–Radzievskii–Paddack:
Wikipedia

OSIRIS-REx:
Página oficial
NASA
Facebook
Twitter
YouTube
Instagram
Wikipedia

 
Top Thingy Right