Top thingy left
 
O SOL "ENVELHECE" DEPRESSA ALGUNS ASTEROIDES
26 de julho de 2022

 


A PolyCam a bordo da OSIRIS-REx da NASA forneceu imagens microscópicas, e de alta resolução, da superfície do asteróide Bennu. Isto tornou possível aos investigadores mapear mais de 1500 fraturas de rocha. Consulte aqui a versão sem o realce a vermelho.
Créditos: NASA/Goddard/Universidade do Arizona

 

Os cientistas da missão OSIRIS-REx da NASA aprenderam recentemente que a regeneração da superfície ocorre muito mais rapidamente nos asteroides do que na Terra. Ao analisar as fraturas rochosas no asteroide Bennu a partir de imagens de alta resolução obtidas pela nave espacial OSIRIS-REx, a equipa descobriu que o calor do Sol fratura rochas em Bennu em apenas 10.000 a 100.000 anos. Esta informação vai ajudar os astrónomos a estimar quanto tempo as rochas levam, em asteroides como Bennu, a decompor-se em partículas mais pequenas, que podem ser ejetadas para o espaço ou permanecer na superfície do asteroide.

Dezenas de milhares de anos podem parecer muito tempo, mas "pensámos que a regeneração da superfície dos asteroides levava alguns milhões de anos", disse Marco Delbo, cientista sénior da Université Côte d'Azur, CNRS, do Observatoire de la Côte d'Azur, Laboratoire Lagrange, Nice, França, e autor principal de um artigo científico publicado em junho de 2022 na revista Nature Geoscience. "Ficámos surpreendidos ao saber que o processo de envelhecimento e meteorologia dos asteroides acontece tão rapidamente, em termos geológicos".

Embora deslizamentos de terra, vulcões e terramotos possam mudar a superfície da Terra rapidamente, normalmente as mudanças são graduais. A água, o vento e as mudanças de temperatura decompõem lentamente as camadas rochosas, criando novas superfícies ao longo de milhões de anos. Por exemplo, se estivéssemos no famoso Grand Canyon, veríamos camadas rochosas distintas; as camadas superiores tendem a ser mais jovens, com cerca de 270 milhões de anos, e as camadas na base do desfiladeiro são as mais antigas, com cerca de 1,8 mil milhões de anos. O rio Colorado tem vindo a esculpir rochas no Grand Canyon há 5 ou 6 milhões de anos.

As rápidas mudanças de temperatura em Bennu criam stress interno que fraturam e quebram rochas, semelhante ao modo como um vidro frio se parte debaixo de água quente. O Sol nasce a cada 4,3 horas em Bennu. No equador, as máximas diurnas podem atingir quase 127º C, e as mínimas noturnas caem para cerca de -23º C.

Os cientistas da OSIRIS-REx detetaram fissuras nas rochas em imagens de naves espaciais a partir dos primeiros levantamentos do asteroide. As fraturas pareciam apontar na mesma direção, "uma assinatura distinta de que os choques de temperatura entre o dia e a noite poderiam ser a causa", disse Delbo.

Delbo e colegas mediram à mão o comprimento e os ângulos de mais de 1500 fraturas em imagens da OSIRIS-REx: algumas mais pequenas do que uma raquete de ténis, outras mais longas do que um campo de ténis. Descobriram que as fraturas estão predominantemente alinhadas na direção noroeste-sudeste, indicando que foram provocadas pelo Sol, que se mostra aqui como sendo a força primária a mudar a paisagem de Bennu.

"Se os deslizamentos de terra ou impactos se deslocassem mais rapidamente do que as rochas se partissem, as fraturas apontariam em direções aleatórias", disse Delbo.

Os cientistas utilizaram um modelo de computador e as suas medições de fraturas para calcular o período de 10.000 a 100.000 anos para que as fraturas térmicas se propaguem e quebrem rochas.

"As fraturas térmicas em Bennu são bastante semelhantes ao que encontramos na Terra e em Marte em termos da sua formação", disse Christophe Matonti, coautor do artigo na Université Côte d’Azur, CNRS, Observatoire de la Côte d’Azur, Géoazur, Sophia-Antipolis, Valbonne, França. "É fascinante ver que podem existir e são semelhantes em condições físicas muito 'exóticas' [baixa gravidade, sem atmosfera], mesmo em comparação com Marte".

"Há que ter em mente que a topografia de Bennu é jovem, mas as rochas nos asteroides ainda têm milhares de milhões de anos e contêm informações valiosas sobre o início do Sistema Solar", disse Jason Dworkin, cientistas do projeto OSIRIS-REx no Centro de Voo Espacial Goddard da NASA em Greenbelt, no estado norte-americano de Maryland.

A OSIRIS-REx (Origins, Spectral Interpretation, Resource Identification, Security-Regolith Explorer) está a caminho de enviar uma amostra de Bennu à Terra, com data de chegada prevista para 24 de setembro de 2023. "Poderemos aprender mais detalhes sobre a idade da superfície quando formos capazes de estudar diretamente a amostra", disse Dworkin.

 

 

 

// NASA (comunicado de imprensa)
// Artigo científico (Nature Geoscience)

Saiba mais

Cobertura da missão OSIRIS-REx pelo CCVAlg - Astronomia:
29/04/2022 - NASA dá luz verde à nave espacial OSIRIS-REx para visitar outro asteroide
08/10/2021 - As rochas altamente porosas são responsáveis pela superfície surpreendentemente irregular de Bennu
13/08/2021 - OSIRIS-REx da NASA fornece informações sobre a órbita futura do asteroide Bennu
14/05/2021 - OSIRIS-REx despede-se de Bennu
20/04/2021 - OSIRIS-REx deixa a sua marca no asteroide Bennu
27/10/2020 - OSIRIS-REx recolhe quantidade significativa de material do asteroide Bennu
23/10/2020 - OSIRIS-REx toca com sucesso no seu asteroide
20/10/2020 - Dez curiosidades sobre Bennu
13/10/2020 - OSIRIS-REx desvenda mais segredos do asteroide Bennu
29/09/2020 - OSIRIS-REx da NASA começa contagem decrescente para evento TAG
25/09/2020 - Asteroide Bennu tem pedaços de Vesta à sua superfície
11/09/2020 - Porque é que o asteroide Bennu está a expelir partículas para o espaço?
27/03/2020 - Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a OSIRIS-REx da NASA
10/03/2020 - Primeiros nomes oficiais dados a características da superfície de Bennu
17/12/2019 - "X" marca o local: NASA seleciona zona para recolha de amostras em Bennu
10/12/2019 - Missão OSIRIS-REx explica misteriosos eventos de partículas de Bennu
10/12/2019 - OSIRIS-REx prestes a selecionar local de recolha de amostras
16/08/2019 - Selecionados os quatro candidatos finais a local de recolha de amostras de Bennu
28/05/2019 - NASA convida público a ajudar a escolher o local de recolha de amostras da OSIRIS-REx
22/03/2019 - OSIRIS-REx revela grandes surpresas em Bennu
15/03/2019 - Bennu, o alvo da missão OSIRIS-REx, gira mais depressa ao longo do tempo
14/12/2018 - Recém-chegada OSIRIS-REx já descobriu água no asteroide Bennu
28/08/2018 - OSIRIS-REx da NASA começa campanha de observações do asteroide
27/12/2016 - OSIRIS-REx vai procurar asteroides raros
06/09/2016 - NASA prepara-se para lançar a sua primeira missão de recolha e envio de amostras de um asteroide

Asteroide Bennu:
NASA
NASA - 2 
Wikipedia

OSIRIS-REx:
Página oficial
NASA
Facebook
Twitter
YouTube
Instagram
Wikipedia

 
Top Thingy Right