Top thingy left
 
MISSÃO DAWN CHEGA AO FIM
6 de novembro de 2018

 


Esta fotografia de Ceres e das brilhantes regiões da Cratera Occator foi uma das últimas obtidas pela sonda Dawn. Na direção sul, foi captada no dia 1 de setembro de 2018 a uma altitude de 3370 km à medida que a sonda descia para a sua órbita elíptica.
Crédito: NASA/JPL-Caltech/UCLA/MPS/DLR/IDA
(clique na imagem para ver versão maior)

 

A sonda Dawn da NASA ficou em silêncio, terminando uma missão histórica que estudou "cápsulas do tempo" do primeiro capítulo da história do Sistema Solar.

A Dawn falhou às sessões de comunicação programadas com a DSN (Deep Space Network) da NASA na quarta-feira, dia 31 de outubro, e quinta-feira, dia 1 de novembro. Depois da equipa de voo ter eliminado outras causas possíveis para as comunicações perdidas, os gerentes da missão concluíram que a nave finalmente ficou sem hidrazina, o combustível que permitia o controlo da orientação. A Dawn já não consegue manter as suas antenas apontadas para a Terra a fim de comunicar com o controlo da missão ou virar os seus painéis solares para o Sol para recarregar energia.

A sonda Dawn foi lançada há 11 anos para visitar os dois maiores objetos da cintura principal de asteroides. Atualmente, está em órbita do planeta anão Ceres, onde permanecerá durante décadas.

"Hoje, celebramos o fim da nossa missão Dawn - os seus incríveis feitos técnicos, a ciência vital que nos deu e a equipa que possibilitou com que a nave fizesse essas descobertas," afirma Thomas Zurbuchen, administrador associado do Diretorado de Missões Científicas da NASA em Washington. "As imagens e dados impressionantes que a Dawn recolheu de Vesta e de Ceres são fundamentais para entender a história e a evolução do nosso Sistema Solar."

A Dawn foi lançada em 2007 numa viagem que colocou cerca de 6,9 mil milhões de quilómetros no seu odómetro. Impulsionada a motores iónicos, a sonda alcançou muitos feitos ao longo do caminho. Em 2011, quando a Dawn chegou a Vesta, o segundo maior mundo da cintura principal de asteroides, tornou-se na primeira a orbitar um corpo na região entre Marte e Júpiter. Em 2015, quando a Dawn entrou em órbita de Ceres, um planeta anão que é também o maior corpo da cintura de asteroides, a missão tornou-se na primeira a visitar um planeta anão e a orbitar dois astros além da Terra.

"O facto de que na matrícula do meu carro está escrito, 'O meu outro veículo está na cintura principal de asteroides,' mostra o orgulho que tenho na Dawn," comenta Marc Rayman, diretor da missão e engenheiro-chefe no JPL da NASA. "As demandas que colocámos na Dawn foram tremendas, mas sempre enfrentou o desafio. É difícil dizer adeus a esta nave espacial incrível, mas está na hora."

Os dados que a Dawn transmitiu para a Terra, recolhidos pelas suas quatro experiências científicas, permitiram com que os cientistas comparassem dois mundos semelhantes a planetas que evoluíram de maneira muito diferente. Entre os seus feitos, a Dawn mostrou como a localização era importante para o modo como os objetos no início do Sistema Solar se formaram e evoluíram. A Dawn também reforçou a ideia de que os planetas anões podem ter abrigado oceanos durante uma parte significativa da sua história - e potencialmente ainda abrigam.

"De muitas maneiras, o legado da Dawn está apenas a começar," comenta Carol Raymond, investigadora principal no JPL. "Os conjuntos de dados da Dawn serão profundamente explorados por cientistas que trabalham para determinar como os planetas crescem e se diferenciam, e quando e onde a vida se pode ter formado no nosso Sistema Solar. Ceres e Vesta também são importantes para o estudo de sistemas planetários distantes, pois fornecem um vislumbre das condições que podem existir em torno de estrelas jovens."

Dado que Ceres tem condições de interesse para os cientistas que estudam a química que leva ao desenvolvimento da vida, a NASA segue rígidos protocolos de proteção planetária para o descarte da nave espacial Dawn. A Dawn permanecerá em órbita pelo menos durante 20 anos e os engenheiros têm mais de 99% de confiança de que a órbita durará pelo menos 50 anos.

Assim, apesar do plano de missão não prever um mergulho final e ardente - como a sonda Cassini no ano passado, por exemplo - pelo menos isto é certo: a Dawn gastou todas as gotas de hidrazina a fazer observações científicas de Ceres e a transmiti-las para que pudéssemos aprender mais sobre o Sistema Solar a que chamamos casa.

 


comments powered by Disqus

 


Esta foto de Ceres e de um dos seus marcos da superfície, Ahuna Mons, foi uma das últimas a ser transmitida pela Dawn antes de completar a sua missão. A imagem, que mostra o sul, foi captada no dia 1 de setembro a uma altitude de 3570 km à medida que a nave descia para a sua órbita elíptica.
Crédito: NASA/JPL-Caltech/UCLA/MPS/DLR/IDA
(clique na imagem para ver versão maior)


 

Links:

Cobertura da missão Dawn pelo Núcleo de Astronomia do CCVAlg:
14/09/2018 - O legado da sonda Dawn, perto do fim da missão
16/06/2018 - Matéria orgânica em Ceres pode ser mais abundante do que se pensava inicialmente
15/12/2017 - Áreas brilhantes em Ceres sugerem atividade geológica
14/11/2017 - Dawn explora a evolução do interior de Ceres
31/10/2017 - Dawn encontra possíveis restos de um antigo oceano em Ceres
24/03/2017 - Gelo nas crateras permanentemente à sombra de Ceres ligado ao passado da inclinação axial
07/03/2017 - Criovulcanismo no planeta anão Ceres
21/02/2017 - Dawn descobre evidências de materiais orgânicos em Ceres
20/12/2016 - Onde está o gelo de Ceres? Novos achados da Dawn
05/08/2016 - O que está dentro de Ceres? Novas descobertas a partir de dados de gravidade
12/07/2016 - Dawn mapeia crateras em Ceres onde o gelo pode acumular-se
01/07/2016 - Atividade hidrotermal recente poderá explicar a área mais brilhante de Ceres
25/03/2016 - Manchas brilhantes e diferenças de cor em Ceres
18/03/2016 - Descobertas variações inesperadas nas manchas brilhantes de Ceres
25/12/2015 - Ceres: imagens a partir da órbita mais baixa da Dawn
11/12/2015 - Novas pistas sobre as manchas brilhantes de Ceres e suas origens
16/10/2015 - O que colide com Ceres, fica em Ceres
02/10/2015 - Equipa da Dawn partilha novos mapas e informações sobre Ceres
11/09/2015 - Manchas de Ceres em mais detalhe
23/06/2015 - Manchas de Ceres continuam a mistificar
28/04/2015 - Pontos brilhantes de Ceres novamente visíveis
10/03/2015 - Dawn é a primeira sonda a orbitar um planeta anão
03/03/2015 - Dawn aproxima-se de encontro histórico com planeta anão
27/02/2015 - "Mancha brilhante" em Ceres tem companheira mais ténue
30/01/2015 - Dawn captura imagens de Ceres com resolução superior à do Hubble
02/01/2015 - Sonda Dawn começa aproximação ao planeta anão Ceres
09/12/2014 - Dawn captura a sua melhor imagem, até agora, de Ceres 
03/09/2013 - Ceres - um dos factores de mudança no prisma do Sistema Solar
04/09/2012 - Dawn prepara-se para sair de Vesta e rumar até Ceres
11/05/2012 - Missão Dawn revela segredos de asteróide gigante 
13/12/2011 - Será Vesta o "planeta terrestre mais pequeno"?
19/07/2011 - Sonda Dawn envia imagens a partir de órbita de Vesta
15/07/2011 - Sonda Dawn entra em órbita de asteróide dia 15 de Julho
28/06/2011 - Dawn aproxima-se de estadia de um ano em asteróide gigante 
12/09/2007 - Dawn a um passo de viagem até cintura de asteróides
 

Notícias relacionadas:
NASA (comunicado de imprensa)
Dawn: missão da NASA à cintura de asteroides (NASA JPL via YouTube)
Astronomy
Sky & Telescope
SPACE.com
ScienceDaily
ScienceNews
Discover
EarthSky
Science alert
PHYSORG
Popular Mechanics
CNN
METRO
ars technica
engadget
The Verge

Sonda Dawn:
Página oficial
NASA
"Toolkit" da missão (NASA)
Wikipedia

Ceres:
Wikipedia

Vesta:
Wikipedia

 
Top Thingy Right